Nesta terça-feira (29) a presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Pará, desembargadora Luzia Nadja Guimarães Nascimento, inaugura a sala da Ouvidoria da Mulher, espaço para sugestões, reclamações e denúncias relativas à violência contra à mulher, direitos políticos e à igualdade…

A praça do Mascate, na esquina da Av. Visconde de Souza Franco (Doca) com a Trav. Antônio Barreto, no bairro do Reduto, está sendo transformada em Praça Pet, espaço de lazer para os moradores e animais de estimação. O local…

Foi aberto ontem (25) um novo retorno para veículos no Km 08 da BR-316, perto de uma loja de peças de motos no sentido entrada de Belém, e em frente à Escola Raimundo Vera Cruz, no sentido de saída da…

A construção do muro de arrimo e urbanização da orla da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, avança ao longo de 1.200 metros de extensão. Gerenciadas pelo Governo do Pará, via Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas, já foram executadas as…

Sebastião Encantado Tapajós

Cresci ouvindo sobre a genialidade de Sebastião Tapajós. Em minhas famílias, todas com raízes pelo Tapajós e Trombetas, ele sempre foi unanimidade. E não tinha como não ser. Com sua guitarra amazônica, extensão de seu próprio ser, era sublime. A delicadeza daquelas cordas nos arrancava todo o encantamento que só a música feita com o coração é capaz e qualquer melodia virava um grande concerto. Sem a guitarra era desconcertante, por sua simplicidade, pelo respeito e carinho que tratava a nós, músicos mais jovens.

Esta foto é um registro disto. Era uma sessão solene, de encerramento de ano da Assembleia Legislativa do Estado do Pará, e eu e a Leandra Vital fomos chamadas para tocar em homenagem aos agraciados com os títulos de honra ao mérito. Uma dessas pessoas era o Tião. Que nervoso – pensei – cantar pra um músico daquele calibre. Pois bem, era hora, e quando me posicionei naquele palco improvisado para começar, não o vejo. Ué. Canto a primeira estrofe da primeira canção, olho de rabo de olho para a Lê et, voilà: lá estava ele, sentadinho ao lado dela, virando a partitura! Ao final de tudo, quando abri a boca para agradece-lo e pedir uma foto, ele foi mais rápido: “bora tirar uma foto nós três”?

Eu tinha o sonho de um dia cantar com ele, sonho que ele tão gentilmente endossava. Não deu tempo. Um dia desses minha mãe me telefonou toda feliz porque iria recebe-lo em casa para almoçar. Invejei o peixe com farinha e pimenta, porém invejei mais ainda as boas gargalhadas e as memórias inesquecíveis que um convívio daqueles resulta. Fico feliz que ela tenha se despedido de seu grande ídolo da melhor forma.

Uma estrela como a de Tião não se apaga. Ele agora é Encantado e seu violão canta para sempre em nossas almas. Obrigada por tudo, mestre.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *