Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

Saudades do maestro Isoca

Hoje, o saudoso maestro Isoca faria 97 anos, se vivo fosse.

Quando se pergunta a razão pela qual Santarém é conhecida como Pérola do Tapajós é quase inevitável que a resposta esteja no belo poema de Felisbelo Sussuarana, musicado por Wilson Fonseca, em parceria com Pedro Santos, no ano de 1935:

“Tu és, ó cidade de beleza,
Na doce paz da tua singeleza
A resplender, banhada de arrebóis,
A pérola encantada
Do altivo Tapajós!
Em ti, a sonhar, doce recanto,
Sonhos de amor
Eu vivo num quebranto
Consolador.
Rincão de encantos mil,
Pedaço de alvorada dentro do Brasil!
P’ra te cantar
E exalçar,
Ó meu rincão,
Ó bem meu,
Da aurora roubo
O clarão!
Roubo do sol os raios e o calor
E o doce olor
Dos rosais;
Roubo o matiz
Do arrebol,
E roubo mais
O primor
Do rouxinol!
Santarém, terra mimosa,
Teu lindo nome
Quero banhado de mil sóis,
A graça majestosa
Do teu grande rio,
Desse Tapajós!
Ó meu rincão,
Tuas morenas
Filhas pequenas
Amo com esta afeição
Que vem do amor
Que me faz cantor!”

A valsa “Pérola do Tapajós” está publicada no 3º volume da Obra Musical de Wilson Fonseca (“Valsas, Modinhas, Toadas, Tangos e Canções”), Imprensa Oficial do Estado, 1984, p. 43/45.
Professor, jornalista, filólogo, teatrólogo, poeta e escritor, Felisbelo Sussuarana é parceiro musical de três gerações da família Fonseca (José Agostinho da Fonseca, Wilson Fonseca e Vicente Fonseca).
De autoria de Felisbelo são as revistas teatrais Eu Vou Telegrafar (1925) e Olho de Boto (1936), cujas peças musicais – muitas delas compostas por José Agostinho da Fonseca e Wilson Fonseca – até hoje são executadas, inclusive nos discos gravados pela Orquestra Jovem e Coral Wilson Fonseca e pelo Coral Expedito Toscano, que, sob a batuta do maestro José Agostinho da Fonseca Neto, lançaram, em 2002, os CDs Sinfonia Amazônica (volumes 1 e 2), marcos na histórica da música de Santarém.
O cognome de Santarém, como Pérola do Tapajós, não se justifica somente por algum sentido figurado, poético ou musical, mas porque, no dizer de Vicente Fonseca, a terra querida desfruta realmente de uma privilegiada situação histórico-sócio-cultural, dada sua vocação natural de ‘pérola encantada do altivo Tapajós’, patrimônio de valor inestimável.
Quem desejar conhecer melhor a “Pérola do Tapajós”, vale a pena ler o que escreveu o maestro Wilson Fonseca na coletânea Meu Baú Mocorongo:
Já se disse alhures que povo sem tradição é povo sem alma. E o santarenense tem alma porque desde os seus primórdios procurou fazer tradição. E a cada um de nós cabe conservá-la em todas as suas manifestações, para grandeza de nosso povo no suceder dos séculos”.
Antes da “Pérola do Tapajós” (1935), de Isoca e seus parceiros, seu pai José Agostinho da Fonseca já havia composto a belíssima “Tapajônia” (1917), com letra do mesmo Felisbelo Sussuarana. Felisbelo também é parceiro letrista de Vicente Fonseca – autor de uma série de “Valsas Santarenas” (atualmente, 81 peças) – na marcha-rancho “Rio Símbolo”, cujo texto poético é da década de 30 do século XX e a música, de 1978, mais uma homenagem ao “mais belo rio do mundo”.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *