O presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, foi aclamado ontem por servidores e deputados após a sessão plenária, que se estendeu até as 15h, ao entregar os espaços reformados que já estão prontos para utilização. É que, em…

O delegado de polícia de Oriximiná, Edmílson Faro, prendeu o vigia Ailton Ferreira da Silva a pedido do presidente da Câmara Municipal, vereador Marcelo Andrade Sarubi (PSDB) e do vereador Márcio Canto (PTB) e, na presença de ambos e do…

Primeira do Brasil totalmente focada na educação para o trânsito, a biblioteca do Detran-PA foi criada em 1998 e começou direcionada ao público interno, funcionando no antigo prédio do órgão, ao lado da Ceasa. Em 1º de novembro de 1999,…

A Prefeitura de Belém vai revitalizar dezesseis imóveis do município que estão há anos em situação de abandono. Além do resgate do patrimônio histórico, artístico e cultural, a intenção é reduzir gastos com aluguéis de prédios que abrigam órgãos municipais.…

Santarenos impediram sessão que celebraria Confederados

Santarém é, historicamente, berço de poetas, escritores, músicos e artistas plásticos, mas também terra de revolucionários. A cidade tem população alegre, pacata e hospitaleira, mas que viveu intensamente a Cabanagem e resistiu à ditadura militar, tendo sido por isso declarada área de segurança nacional. De modo que, por pouco, não houve um levante de santarenos hoje. É que o vereador Carlos Silva (PSC), protocolou em maio na Câmara Municipal o Requerimento de nº 940/2021, aprovado à unanimidade pelos 21 vereadores, cujo objeto era homenagear com uma sessão solene os 153 anos da chegada dos chamados Confederados, supremacistas brancos estadunidenses, em 17 de setembro do século XIX.

A reação foi contundente: quinze entidades divulgaram duro manifesto repudiando a iniciativa, que consideraram uma celebração ao terror, à eugenia, ao racismo e à violência covarde perpetrada por grupos que defendem a escravidão negra e indígena.

Aí, dois vereadores do PT, após a repercussão da nota, perceberam o equívoco e também mudaram seus votos e se declararam contra a sessão, além do que a Executiva do partido também se pronunciou sobre o tema publicamente, contrária a qualquer tipo de ideologia racista, escravagista e supremacista.

Com o clima de insurreição iminente, a sessão marcada para amanhã, dia 14, foi cancelada. Em suas redes sociais, o vereador que concebeu a ideia tentou se justificar, esclarecendo que os descendentes dos Confederados não compactuam com os ideais racistas das famílias pioneiras que aportaram em Santarém – o que é verdade -, e afirmando que a contribuição deles foi fundamental para a edificação da Igreja Batista. Acontece que, como se sabe, a Ku Klux Klan é a representante desse grupo até hoje nos EUA.

Em seu blog Furo, o jornalista, escritor, pesquisador e professor Rogério Almeida lembrou que a imigração dos Confederados foi possível graças a um convênio firmado entre o presidente da Província do Pará e o major Lansford Warrem Hastings, em novembro de 1866.

O historiador Eurípedes Funes, autor de uma tese na USP sobre a presença quilombola no Baixo Amazonas, apurou que os Confederados oriundos do Vale do Mississipi, Tennessee e Alabama aportaram em terras parauaras fugidos após a derrota na Guerra de Secessão. Era um grupo com mais de cem pessoas.

O Barão do Tapajós (Miguel Antônio Pinto Guimarães), genro de Maria Macambira, latifundiária na região do Baixo Amazonas célebre por sua crueldade com os negros, firmou sociedade com o confederado Romulus Rhome (sociedade Pinto & Rhome), a fim de modernizar a fazenda Taperinha, cujos escravos fugidos fundaram quilombos no chamado Planalto Santareno, área de terra firme.

Sobre os confederados em Santarém, além da obra de Norma Guilhon e a tese de Eurípedes Funes, foi publicada a tese de doutorado de Célio Antonio Alcântara Silva, na Unicamp. Cliquem aqui para ler a íntegra desse estudo.

Na foto de Rogério Almeida, o Solar dos Brancos, localizado no centro de Santarém, símbolo da presença dos Confederados no município, hoje descaracterizado por uma loja de departamentos que funciona no térreo.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. A ignorância gera esse tipo de constrangimento. Vereadores que votam matérias sem saber do que estão tratando. Parlamento santareno,covil de ignorantes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *