A juíza Sara Augusta Pereira de Oliveira Medeiros, titular da 3ª Vara Cível, Infância e Juventude, Órfãos, Interditos e Ausentes de Castanhal (PA) exarou uma sentença emblemática, em plena Semana da Pessoa com Deficiência: obrigou a Escola Professor Antônio Leite…

Observando que é irracional o deslocamento de grande quantidade de pacientes em busca de tratamento, o Ministério Público do Pará ajuizou Ação Civil Pública contra o Estado do Pará e o Município de Marabá, para a criação de Unidade de…

O governador Helder Barbalho sanciona hoje à noite, em cerimônia no auditório do Centur, o 'Vale Gás' e o 'Água Pará', destinados a famílias de baixa renda ou em situação de vulnerabilidade social. Ambos serão gerenciados e fiscalizados pela Secretaria…

Ciclistas liderados pelo grupo Pedal Mulher Nota 100, com apoio de alunos e voluntários da Universidade Federal do Pará e da Academia Paraense de Jornalismo, realizarão uma performance, nesta quinta-feira (23), das 8h às 10h, a fim de chamar a…

PMPA e CBMPA contra o Projeto Frankenstein

O Alto Comando da Polícia Militar do Pará, em parceria com o Corpo de Bombeiros Militar do Pará, elaborou uma minuta de projeto de lei complementar dispondo sobre o sistema de proteção social dos militares do Estado, mas agora tanto oficiais quanto praças estão em pé de guerra porque souberam que, na Procuradoria Geral do Estado, o anteprojeto foi totalmente reformulado, com direitos previdenciários suprimidos, inclusive o adicional de inatividade, e consta que está pronto para ser enviado à Assembleia Legislativa.

Revoltados com o “projeto Frankenstein” costurado na PGE, já tem mais de quatro mil policiais militares – que representam um terço de toda a tropa – preparando a papelada, prontos para pedir a reserva remunerada antes que seja alterada a legislação em vigor. Quem sair até dezembro garante os direitos atuais. Se acontecer essa debandada em massa será um desastre para o Sistema de Segurança Pública, o caos. Até porque já está no final do terceiro ano do governo e ainda não conseguiram concluir o processo seletivo para o único concurso público, para apenas dois mil soldados, que se forem formados “a toque de caixa” significarão uma tragédia adicional. Especialistas da área afirmam que menos de seis meses de academia para formar um policial militar é condenar a sociedade a sofrer com o despreparo e o amadorismo nas ruas, com consequências funestas.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

3 comentários

    1. Amigo, veja bem a matéria. Não relata distinção ou privilégios para oficiais em detrimento dos praças. Todos sairão prejudicados com a alteração de nossa legislação, inclusive e, principalmente, a população paraense. Todos estamos juntos, na mesma situação. Neste caso, não há desigualdades. Creio que você interpretou a matéria de forma equivocada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *