Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

PMPA e CBMPA contra o Projeto Frankenstein

O Alto Comando da Polícia Militar do Pará, em parceria com o Corpo de Bombeiros Militar do Pará, elaborou uma minuta de projeto de lei complementar dispondo sobre o sistema de proteção social dos militares do Estado, mas agora tanto oficiais quanto praças estão em pé de guerra porque souberam que, na Procuradoria Geral do Estado, o anteprojeto foi totalmente reformulado, com direitos previdenciários suprimidos, inclusive o adicional de inatividade, e consta que está pronto para ser enviado à Assembleia Legislativa.

Revoltados com o “projeto Frankenstein” costurado na PGE, já tem mais de quatro mil policiais militares – que representam um terço de toda a tropa – preparando a papelada, prontos para pedir a reserva remunerada antes que seja alterada a legislação em vigor. Quem sair até dezembro garante os direitos atuais. Se acontecer essa debandada em massa será um desastre para o Sistema de Segurança Pública, o caos. Até porque já está no final do terceiro ano do governo e ainda não conseguiram concluir o processo seletivo para o único concurso público, para apenas dois mil soldados, que se forem formados “a toque de caixa” significarão uma tragédia adicional. Especialistas da área afirmam que menos de seis meses de academia para formar um policial militar é condenar a sociedade a sofrer com o despreparo e o amadorismo nas ruas, com consequências funestas.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

3 comentários

    1. Amigo, veja bem a matéria. Não relata distinção ou privilégios para oficiais em detrimento dos praças. Todos sairão prejudicados com a alteração de nossa legislação, inclusive e, principalmente, a população paraense. Todos estamos juntos, na mesma situação. Neste caso, não há desigualdades. Creio que você interpretou a matéria de forma equivocada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *