Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Saiu para tosquiar e voltou tosquiado

Hoje às 5 horas da madrugada o presidente do Impab e chefe de gabinete
da prefeitura municipal Oséas Batista da Silva Jr., o servidor e ex-diretor
financeiro do órgão Janilson Martins Araújo, o servidor Sebastião Magno dos
Santos Filho e o presidente do sindicato dos servidores públicos de Belém
Emílio Silva da Conceição viram o sol
nascer quadrado
. Todos foram em cana
durante a Operação Hígia II, do Geproc (Grupo de Prevenção e Repressão a
Organizações Criminosas) do Ministério Público estadual, com o apoio da Polícia
Civil.
Também houve busca e apreensão de documentos e equipamentos na sede do
Instituto de Previdência e Assistência Social do Município de Belém (Ipamb) e
nas residências deles – além de joias de grande valor, 100 relógios de marcas
famosas, dezenas de televisores plasma e LCD, celulares, computadores, notebooks
e 10 tablets -, tudo comprado nas farmácias conveniadas Big Ben e Extrafarma.
Os promotores Arnaldo Azevedo e Nelson Medrado estão colhendo
depoimentos de todos os presos, o que pode se estender pela madrugada. Eles
ficarão recolhidos no prédio do Corpo de Bombeiros e responderão por peculato,
formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. O esquema funcionava há dois anos e
desviou pelo menos R$2 milhões.
Cartão corporativo usado para comprar eletroeletrônicos ao invés de
medicamentos; contratos irregulares de 130 temporários distratados em agosto
deste ano; diárias concedidas sem suporte legal; Portarias sem assinaturas e
nenhuma cópia de relatórios encaminhados ao TCM e ao MP sobre prestação de
contas integram o festival de irregularidades.
Os promotores de justiça Milton Menezes, Arnaldo Azevedo, Nelson
Medrado, Aldo Saife, Firmino Matos e Wilson Brandão e os delegados André Costa,
Aline Oshikiri, Claudio Galeno, Ricardo do Rosário, Francisco Piton e Eliseu
Brasil lideraram a operação.
O golpe funcionava assim: aumentada irregularmente a margem de 30% do salário
de funcionário do Ipamb, eram emitidos cartões para pessoas fictícias, que
compravam eletrodomésticos e celulares nas farmácias. Quando as faturas chegavam
no Ipamb, nada estava registrado: tudo era apagado do sistema.

Oséas Silva Jr. tentou posar de bom moço e ludibriar o MP, mas, como no romance, saiu para tosquiar e voltou tosquiado. Bem feito.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *