Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Rumo à impunidade

A promotora de justiça Amanda Luciana Sales Lobato denunciou hoje José Rodrigues, mandante, por homicídio duplamente qualificado, e os executores Lindonjonson Rocha e Alberto Nascimento, por homicídio triplamente qualificado e pediu a prisão preventiva dos três, pelo assassinato do casal de extrativistas José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo da Silva, em Nova Ipixuna, no sudeste do Pará.

Segundo a promotoria, o motivo do crime foi a disputa pela posse de uma área de terra rural adquirida por José Rodrigues, ocupada por terceiros apoiados pelas vítimas, o que causou a fúria do denunciado, que planejou, organizou e financiou o assassinato.

Consta na denúncia que a polícia informou que “os indícios da autoria foram colhidos por meio das declarações das testemunhas ouvidas no inquérito policial, assim como pela perícia iconográfica e retrato falado, protocolos de transferências dos lotes, laudo de levantamento do local do crime, e auto de reconhecimento de pessoa, dentre outros documentos.

Para a promotora de justiça, “é necessária a decretação da prisão preventiva dos denunciados, para a garantia da ordem pública e conveniência da instrução processual, pois, soltos, os denunciados poderão sumir com provas e ameaçar testemunhas”. Bom, já fugiram. Meio caminho em direção à impunidade.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *