O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, convocou e empossou Torrinho Torres, primeiro suplente do Podemos, na vaga do deputado Igor Normando, que está licenciado para exercer o cargo de secretário de Estado de Articulação da Cidadania. O novo parlamentar…

Reconhecimento máximo da Associação Paulista de Críticos de Artes a obras de Literatura, Música popular, Arquitetura, Artes Visuais, Cinema, Dança, Rádio, Teatro, Teatro Infantojuvenil e Televisão, o Prêmio IPCA, anunciado na segunda-feira, 6/2, contemplou o livro de contos “Eu já…

A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Rotor da UHE Belo Monte na rodovia

Foto: Betto Silva/Norte Energia
Brasil, País da contradição. Mais um dos imensos rotores que serão instalados na Usina Hidrelétrica Belo Monte está cruzando o território nacional, ao longo de 2.200 quilômetros entre a fábrica da Andritz Hydro, em Araraquara(SP), até a área de montagem, em Vitória do Xingu, no Pará. A peça, que mede 8,7 metros de diâmetro externo, tem 5 metros de altura e pesa cerca de 330 toneladas, vem um caminhão de 100 metros de comprimento e quase 9 metros de largura. Não é preciso imaginação fértil para perceber o enorme transtorno no trânsito, a poluição ambiental e o risco de morte que tal transporte causa para todas as milhares de pessoas com as quais o equipamento vai cruzar nas estradas. 

Deveria tal peça ser transportada exclusivamente por via hidroviária, aproveitando as várias bacias hidrográficas que interligam o País de Norte a Sul, de Leste a Oeste. Mas no Brasil, historicamente, a matriz de transportes é distorcida para atender interesses rodoviaristas, em detrimento do portentoso potencial dos rios, que proporcionam transporte muito mais barato, menos poluente e com risco reduzido de acidentes. Estranhamente, nenhum mandatário que ocupou o Palácio do Planalto, ao longo de décadas, verdadeiramente teve vontade política de viabilizar a integração nacional através de hidrovias, executando as obras necessárias para permitir a livre navegação, o que inclusive daria competitividade aos produtos nacionais no mercado mundial, com a diminuição do custo do frete. Inexplicavelmente, são sempre as rodovias, congestionadas, poluídas e manchadas de sangue as escolhidas para os investimentos. A indústria de carretas agradece. A sociedade se mantém muda e queda. E o disparate continua, atravessando os séculos.

Conforme informações da Norte Energia, que constrói o empreendimento no rio Xingu, no Pará, o rotor da turbina será instalado na unidade geradora 03 da casa de força principal, no sítio Belo Monte, a 55 Km de Altamira. Para se ter uma ideia, o transporte da máquina iniciou em 4 de outubro e a previsão de chegada é só em janeiro de 2016. A megaoperação até o canteiro de obras deve durar 90 dias.
Já estão em Belo Monte quatro rotores do tipo francis. A casa de força principal de Belo Monte terá 18 peças semelhantes à que está a caminho. A previsão de entrega da última unidade é para o primeiro trimestre de 2018. 

Além da Andritiz, as empresas Voith e Alstom fornecem equipamentos deste porte para a UHE Belo Monte que, até setembro, já tinha recebido 34.759 toneladas de equipamentos.
O rotor é a peça mais importante da turbina, o núcleo que gera energia em uma hidrelétrica. As 13 pás do equipamento recebem a água do rio e transformam a energia cinética em energia mecânica, transmitida ao rotor do gerador para produzir energia elétrica. Após a descida do rotor a próxima peça será o eixo da turbina.
Com 18 unidades geradoras, a casa de força principal, no sítio Belo Monte, terá capacidade instalada de 11 mil MW (611,11 MW cada turbina). O complexo de Belo Monte conta, ainda, com a casa de força complementar, que está em fase de conclusão, no sítio Pimental, com 6 turbinas e capacidade de gerar 233,1 MW. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *