Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Resgate de trabalhadores escravos


Doze trabalhadores em condições análogas às de escravo, na Fazenda Guaporé, situada no município de São Félix do Xingu, sudeste paraense, foram resgatados durante operação do Grupo Interinstitucional Móvel de Combate ao Trabalho Escravo, entre os dias 7 e 17 deste mês.  Eles viviam em barracões, sem registro em Carteira de Trabalho e Previdência Social, sem água potável ou materiais de primeiros socorros, além de fazerem suas necessidades fisiológicas na mata. 

O proprietário da fazenda, Rafael Saldanha Júnior, aceitou firmar Termo de Ajustamento de Conduta, perante o Ministério Público do Trabalho e a Defensoria Pública da União, comprometendo-se a cumprir diversas obrigações a fim de regularizar a situação na fazenda. Ao todo, foram pagos R$ 86.665,00 em verbas rescisórias aos trabalhadores e o fazendeiro ainda concordou em pagar R$ 100 mil a título de indenização por dano moral coletivo. Também foram emitidas CTPS e entregues a todos guias do seguro desemprego. 

Dentre os itens previstos no TAC figuram a obrigatoriedade de registro de empregados por meio de livro, ficha ou sistema eletrônico, assim como a assinatura da CTPS em 48h a contar do início da prestação do serviço; o depósito do FGTS; o pagamento de salários até o 5º dia útil de cada mês;  e pagamento de 13º salário de acordo com o previsto em legislação; além do registro de jornada de trabalho; disponibilização gratuita de ferramentas e equipamentos de proteção individual adequados ao trabalho; fornecimento de água potável sem uso de copos coletivos; e a submissão dos trabalhadores a exames médicos admissionais e periódicos anuais, e provimento de materiais de primeiros socorros nas dependências da fazenda. 

O dono da Guaporé também deverá oferecer local adequado para o preparo e realização de refeições por seus empregados, bem como instalações sanitárias em condições higiênicas e capacitação aos trabalhadores expostos diretamente a agrotóxicos. 

Durante a fiscalização, acompanhada pela Polícia Federal, foi verificado que alguns alojamentos já estão sendo construídos.
Os R$ 100 mil pagos a título de dano moral coletivo serão revertidos ao projeto “Escravo nem pensar”, executado pela Ong Repórter Brasil, que trabalhará na formação de gestores de educação no Estado do Pará.
Caso as obrigações do TAC não sejam cumpridas, será cobrada multa de 30% sobre o valor do dano moral coletivo, e multa de R$ 5 mil  por desrespeito a cada uma das obrigações, acrescida de R$ 500 por trabalhador prejudicado.

A foto é da Ascom do MPT.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *