Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

Resgate de trabalhadores em condições degradantes

Equipe integrada pelo Ministério Público do Trabalho PA-AP, Auditoria Fiscal do Trabalho e Polícia Federal encontrou os trabalhadores em situação análoga à escravidão durante fiscalização em uma fazenda localizada no município de Pacajá, no sudoeste paraense. O grupo também vistoriou propriedades em Novo Repartimento e Palestina do Pará.

Em Pacajá, os fiscais verificaram que os trabalhadores não tinham registro em Carteira de Trabalho e Previdência Social ou qualquer benefício. O empregador também não fornecia Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para a realização das atividades laborais. Homens e mulheres compartilhavam uma casebre em péssimas condições de higiene, sem porta de separação entre os cômodos e com grandes frestas entre as tábuas, permitindo o ingresso de animais peçonhentos. Inclusive, durante a inspeção, foi encontrada uma aranha caranguejeira no local. A água consumida era proveniente de poço, sem garantia de potabilidade, e as necessidades fisiológicas nas frentes de trabalho eram feitas no mato. Não havia local adequado para acondicionamento dos alimentos. Os trabalhadores tinham que “salgar” as carnes para poder conservá-las por mais tempo, e ficavam expostas no ambiente sujeitas à contaminação.

“O que se verifica nessas situações de trabalho escravo contemporâneo é o descaso pela dignidade da pessoa humana do trabalhador, um total desrespeito aos preceitos legais trabalhistas. E observa-se que, em sua grande maioria, são pessoas com escolaridade modesta ou analfabetos, em situação de alta vulnerabilidade social, poucas oportunidades de emprego e baixa consciência de seus direitos, que acabam se submetendo a essa situação por se encontrarem em situação de extrema pobreza”, explica a procuradora do MPT Sílvia Silva.

O empregador assinou um Termo de Ajustamento de Conduta com o MPT, comprometendo-se a regularizar a situação dos funcionários e a fornecer condições de trabalho e moradia dignas, de acordo com os preceitos legais. Na oportunidade, efetuou o pagamento integral de verbas rescisórias dos quatro trabalhadores resgatados, bem como indenização por dano moral individual para cada um deles. Também se comprometeu a pagar indenização por dano moral coletivo, valor que será revertido para órgãos ou instituições sem fins lucrativos do próprio município, indicados pelo MPT. Em caso de descumprimento, o empregador fica sujeito à cobrança de multas cujos valores são reversíveis ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

Entre as obrigações acordadas no TAC estão: efetuar o recolhimento do FGTS e contribuições previdenciárias no prazo de 30 dias; realizar o pagamento integral do salário dos funcionários até o 5º dia útil do mês subsequente e com recibo; fornecer, gratuitamente, EPIs adequados aos riscos das atividades desempenhadas pelos trabalhadores; garantir alojamentos com condições satisfatórias de conforto, higiene e segurança, além de água potável, instalações sanitárias e local para refeição, preparação e conservação adequada dos alimentos.

Em Novo Repartimento e Palestina do Pará também havia trabalhadores sem registro e assinatura de CTPS, bem como ausência de exames médicos admissionais, não fornecimento de EPIs, dentre outras irregularidades que deverão ser solucionadas mediante instauração de procedimentos administrativos no Ministério Público do Trabalho.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *