O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Relatos do horror em Anajás

Casos horripilantes estão acontecendo em Anajás. Na semana passada morreram três bebês no posto de saúde por falta de atendimento adequado.
O último caso é particularmente medonho e teve seu desfecho na quarta-feira, dia 07. Uma mulher chamada Leila procurou o único posto de saúde com fortes dores de parto. E depois de cinco dias de muito sofrimento seus familiares suplicaram ao único médico do município, Bira Barbosa, conhecido como “Doutor Birão”, que chamasse um avião para levar a grávida a uma maternidade onde houvesse recursos hospitalares para salvar a vida do bebê, mas o médico disse que não podia porque havia sido alertado pelo prefeito de que ele se recusaria a pagar frete de aeronaves por conta de que teria que economizar. Após discussão, o médico resolveu levar a parturiente para uma sala onde não havia a mínima estrutura para uma cirurgia, e lá mesmo fez uma cesariana e mandou uma enfermeira por o bebê morto no colo da mãe para que ela o amamentasse (!). 

Outro caso: uma mãe chegou desesperada no posto porque a sua filhinha de cinco anos havia engolido uma moeda. O médico não socorreu a criança e a mãe, em ato de desespero, se lançou no chão do corredor rogando a Deus que não levasse sua filha e então lhe veio a lembrança de meter o dedo na garganta da menina, que voltou a respirar. A mãe continuou pedindo a ajuda do médico Bira Barbosa, e ele disse que não podia fazer nada a não ser mandar a criança de barco até Breves, que fica a oito horas de viagem. A mãe implorou que ele chamasse o resgate do Corpo de Bombeiros de Belém, mas todos do posto se recusaram, dizendo que não era grave. 

Até quando vidas serão ceifadas, impunemente? Com a palavra o MP.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *