Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Relações perigosas

Vejam só como era
o engenhoso esquema de 
venda de “habite-se
para legalizar a ocupação de  cinco empreendimentos construídos pela Gafisa
em Belém, desmontado pelo MP militar e pela polícia civil: o “habite-se” reprovado era substituído,
via sistema Webcat,  através de senhas de
habite-se” já autorizados pelo
Centro de Atividades Técnicas (CAT). O subtenente  Alexandre Oliveira de
Melo tinha acesso a tal senha e fazia a adulteração. E vendia o documento a
preços que variavam entre R$30 mil a R$ 55 mil, conforme a cara do freguês.

Os “habite-se
dizem respeito basicamente a projetos de prevenção e controle de incêndios e
prevenção na rede de energia elétrica. Os alvos da ação
fraudulenta foram o Mirante do Parque, localizado na Rodovia Augusto Montenegro
(Belém); Mirante do Lago, em Ananindeua; Reserva Ibiapava, na Rodolfo Chermont
(Nova Marambaia); FIT 25, no distrito de Icoaraci; e Mistral, na Caripunas
(Belém). Desses, só o Mirante do lago ainda está sob investigação. Os
outros quatro já foram legalizados pelo CAT.

Mas era bom o MP e a polícia estenderem as investigações para a Seurb, em especial para verificar relações perigosas com donos de grandes construtoras.
Leiam aqui a íntegra da denúncia e aqui o mandado de prisão preventiva.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *