O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Rebordosa do empréstimo ao BNDES

O promotor de Justiça Firmino Araújo de
Matos, dos Direitos Constitucionais Fundamentais, Defesa do Patrimônio Público
e da Moralidade Administrativa, ajuizou Ação Civil Pública contra a
ex-governadora Ana Júlia Carepa, o economista José Carlos dos Santos Damasceno,
os ex-presidentes da Cosanpa Edilson Rodrigues de Sousa e Sérgio Roberto
Rodrigues de La Roque, o ex-diretor financeiro Maurício Otávio de Almeida e a
ex-chefe da unidade de gestão financeira, Maria Leonor Pereira Barros. O
processo está nas mãos da juíza Cynthia Beatriz Zanlochi Vieira, da 3ª Vara da
Fazenda Pública de Belém.
Os seis são acusados de utilizar de maneira
indevida R$ 366.720 milhões obtidos pelo Estado junto ao BNDES, através d
o Contrato de Financiamento nº 10.2.0517.1, conforme relatórios e nota
técnica da Auditoria-Geral do Estado encaminhados ao MPE.
Segundo o estabelecido em lei aprovada pela Alepa,
51% deveriam ir para os 143 municípios do Pará, considerando o indicador
populacional; 33% para as despesas de capital (obras e instalações,
equipamentos e material permanente) e 11,5% para aplicação, com valores iguais,
indicados individualmente através de emendas parlamentares. Os 4,5% restantes seriam
de livre aplicação pelo Governo do Estado.
A AGE diz que os percentuais previstos foram
descumpridos, que não houve a regular prestação de contas do valor de R$
79.694.142,84 e que R$ 12.329.462,48 foram empregados indevidamente em pagamento
de despesas correntes da Cosanpa. Sustenta, ainda, que a prestação de contas
dessa operação de crédito foi fraudada, com a apresentação de 19 notas fiscais
já apresentadas em relação aos Contratos de Financiamento nº 21/03718 (Banco do
Brasil) e nº 21/03716 (BNDES), além da ausência de prestação de contas dos
rendimentos de aplicação financeira, no valor de R$ 455.711,44.
Na ação, o MPE pede, liminarmente, a
indisponibilidade dos bens dos envolvidos para garantir o integral
ressarcimento do dano ao erário, com o bloqueio de valores em contas bancárias
e aplicações financeiras, além das sanções previstas na Lei de Improbidade
Administrativa, tais como suspensão dos direitos políticos, multa e proibição
de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou
creditícios, entre outras.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *