Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

Que o povo não deixe a violência rasgar suas entranhas!

Nas últimas semanas presenciamos casos
absurdos, discutidos em todo tipo de rede social, dentro e fora da internet. No
Espírito Santo, a situação de caos é uma amostra do resultado de atitudes
corporativistas que ignoram ou relevam a último plano a justiça e a paz social.
Mensagens e discursos de incitamento à violência e ao desrespeito às leis e
regras sociais vêm sendo veiculadas, estimulando os sentimentos perversos de uns
e aterrorizando os outros. Estamos passando por tempos sombrios, em que a ética
é colocada em xeque, em situações chocantes, que não podemos de forma alguma
aceitar e muito menos permitir de que se banalizem.
Cada atitude individual tem uma influência
coletiva. Somos exemplos uns para os outros e é preciso assumir essa
responsabilidade, sob pena de consequências funestas para todos. Por isso, seja
ao assistir a notícias bárbaras nos telejornais ou vídeos nos grupos de
WhatsApp, não podemos perder a capacidade de nos indignar, e impedir que isso
tudo passe como normal ou comum. É um atentado à Democracia e à vida.
A sociedade é dividida entre opressores e
oprimidos, mas isso não significa que os menos favorecidos usem a
violência como pretexto. A busca de solução para os conflitos pede reflexão,
discernimento, serenidade e responsabilidade ética, visando sempre o bem coletivo,
sem desviar do caminho da justiça.
Os recentes episódios demonstram a total
falta de compromisso com interesses coletivos e cristaliza a crise moral que
assola o Brasil. 
Não podemos viver em estado de barbárie.
 A falta de princípios éticos de justiça, respeito e honestidade leva a
comportamentos que prejudicam a nação inteira. 
A violência é elemento primordial de
degradação social. A vida humana passa a ser estatística da violência moral que,
sem o menor contexto ético, corrompe o País.  
Sofremos uma crise de legitimidade do modelo
político, por não corresponder às necessidades de participação e de mudança da
sociedade; crise de representatividade dos partidos tradicionais, vinculados às
oligarquias regionais e às burguesias nacionais, assim como dos partidos de
esquerda, que se adaptaram velozmente ao status quo e às práticas políticas que
tanto criticavam. Antes da crise econômica ou política, vivenciamos uma
profunda crise moral.
Mas aqueles que criticam ferozmente os governantes e todas as
mazelas que afligem os brasileiros estariam aptos a se comportar de forma
diferente se exercessem os mesmos cargos? Adotariam comportamento igual ao
descrito por Kant em sua magistral obra “Crítica da Razão Prática? Para o
grande filósofo o imperativo prático é traduzível como: “age de tal modo que possas
tratar sempre a humanidade, seja em tua pessoa, seja na do próximo, como um
fim; não te sirvas jamais disso como um meio”.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *