Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Juíza do Pará ganha Prêmio CNJ de Direitos Humanos


Ontem à tarde, ninguém menos que a ministra Carmen Lúcia, presidente do STF e do CNJ, ligou para a desembargadora federal do Trabalho Suzy Cavalcante Koury, presidente do TRT8, para dar os parabéns e informar que a juíza substituta Elinay Melo, da 7ª Vara do Trabalho de Belém, foi agraciada com o Prêmio CNJ de Direitos Humanos, por sentença proferida em processo movido pelo Ministério Público do Trabalho visando a proteção de crianças e adolescentes vítimas de exploração sexual, no arquipélago do Marajó, tristemente conhecidas por “meninas balseiras”. 

O prêmio, cuja entrega será no próximo dia 14, às 9h, na sede do Conselho Nacional de Justiça, em Brasília, foi criado em parceria com o Ministério da Justiça e a então Secretaria Especial de Direitos Humanos do governo federal, com o objetivo de premiar juízes ou órgãos do Judiciário por decisões emblemáticas no sentido da efetividade da dignidade humana e dos direitos fundamentais. 

Cliquem aqui para ler a íntegra da sentença premiada. Na foto, a juíza Elinay (à direita), com o juiz Jônatas Andrade e a irmã Henriqueta Cavalcante, coordenadora da Comissão Justiça e Paz da CNBB Norte II, em ato público no domingo passado, contra o trabalho escravo.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *