Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Quanto custam as vidas perdidas no trânsito?


Pegou mal, muito mal – e ainda respingou
forte no diretor geral do Detran-PA, Walter Pena -, a decisão do secretário de
Segurança Pública Luiz Fernandes, que preside o Conselho Estadual de Trânsito, ao
cancelar a programação alusiva à Semana Nacional do Trânsito, alegando que iria
custar caro.
Trata-se de evento de cunho educativo que
acontece em todo o País, previsto no art. 326 do Código Nacional de Trânsito, destinado a pelo menos reduzir o altíssimo número
de mortos, mutilados e feridos em acidentes de trânsito nas ruas e rodovias.
Quanto
custa despertar na sociedade a importância do respeito às leis de trânsito

e o sentimento de que a solução para os problemas do tráfego é responsabilidade
de todos?
Qual o custo socioeconômico dos
acidentes, que inclui danos materiais, custos médico-hospitalares; operação de
sistemas de atendimento, congestionamentos; despesas de funerais, administração
de seguros, processos judiciais e perda de rendimentos futuros?
E
quanto custam as vidas perdidas ou irremediavelmente lesionadas, com sequelas
físicas, mentais e psicológicas em acidentes que poderiam ser evitados?
O Brasil é o quinto
país com mais vítimas no trânsito, atrás apenas de Índia, China, Estados Unidos
e Rússia. As prováveis causas do crescimento das mortes são o consumo de álcool
e o aumento do número de motocicletas. Um quarto das mortes em acidentes no ano
passado envolveu moto e o número de vítimas por acidentes aumentou em 24% em
oito anos, segundo dados do Ministério da Saúde em 2011.
Em nosso País mata-se, por ano,
cerca de 37 mil pessoas e provoca-se a internação de outras 180 mil, com um
impacto de cerca de R$34 bilhões. Dados do DPVAT de jan/2012 apontam para
366.356 indenizações, sendo 58.134 por morte; 239.738 por invalidez permanente
e o restante por despesas hospitalares.
O Brasil é signatário da resolução da ONU – Pacto pela
Redução, que estabelece entre 2011 e 2020 a “Década de Ação para Segurança
Viária no mundo”, e na qual se compromete a planejar ações e as executar
de forma coordenada estabelecendo metas de redução em 50% das mortes em
acidentes em dez anos.
Assistam
ao vídeo aí em cima e vamos cultivar a paz e preservar vidas no trânsito. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *