O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Protesto interdita PA-483 em Barcarena

Foto: Rogério Almeida
A PA-483, que dá acesso ao distrito industrial e ao porto de Vila do Conde, em Barcarena, amanheceu hoje interditada por populares revoltados com a falta de uma solução para o maior desastre ambiental do Pará e talvez único no mundo com suas características, populares. Há mais de três meses, o navio boiadeiro de bandeira libanesa Haidar naufragou  transportando cinco mil cabeças de gado vivas e 700 mil litros de combustível, mas a embarcação, com as carcaças dos animais que morreram em seu porão, ainda não foi removida. A salvatagem do navio é uma operação cara e delicada. 

A mortandade dos bois e o vazamento de óleo transtornaram milhares de famílias ribeirinhas, que ainda não foram indenizadas, além de um prejuízo de R$ 30 milhões pela interrupção do trabalho em uma parte do porto. Os animais morreram afogados e parte do combustível vazou. A barreira de contenção emergencial rompeu cinco dias após o acidente, contaminando o rio Pará/Tocantins. 

A praia de Vila do Conde, interditada, é monitorada por geólogos uma vez por mês. A última amostra coletada foi em dezembro, e constatou que ainda há óleo presente na água e na areia. A preocupação dos especialistas é de que ocorra um novo vazamento na retirada do navio. As demais praias de Barcarena – como a do Caripi – não mais estão interditadas.

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade exigiu da CDP um plano técnico para retirada das ossadas dos animais mortos, trabalho que iniciou pelos deques superiores e é executado por uma empresa especializada. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *