A 27ª Unidade de Conservação do Estado do Pará abrange os municípios de Jacareacanga e Novo Progresso, no sudoeste paraense. O Decreto nº 1.944/2021 foi assinado pelo governador Helder Barbalho na quinta-feira, 21, e publicado ontem (22) no Diário Oficial…

O Atlas da Dívida dos Estados Brasileiros, lançado no Fórum Internacional Tributário pela Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital, aponta que a dívida ativa das empresas com os entes federados soma estratosféricos R$ 896,2 bilhões, significando 13,18% do PIB…

Ao abrir oficialmente o Forma Alepa/Elepa, o presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, destacou a importância do trabalho que vem sendo executado pela Escola do Legislativo, treinando, qualificando e atualizando gestores, vereadores e servidores públicos, que dessa forma…

Em Itupiranga, força-tarefa do Ministério Público do Trabalho no Pará e Amapá, Auditoria Fiscal do Trabalho, Defensoria Pública da União e Polícia Federal resgatou sete trabalhadores em condições análogas às de escravos, em duas fazendas no sudeste paraense, e prendeu…

Professora sofre tortura e cárcere privado

Maria Geuciane Nobre, 39 anos, professora da Escola Estadual Rio Tapajós, foi espancada e torturada por pelo menos cinco pessoas da mesma família, em uma casa no bairro Urumari, em Santarém, na terça-feira à noite. Ela foi golpeada com tesoura, teve os cabelos cortados e depois foi abandonada na estrada da praia do Pajuçara. Após ser atendida na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24 horas, procurou a polícia ainda na madrugada. Mas o delegado de plantão, Tiago Rebelo, alegou estar ocupado com outros procedimentos de flagrante e não registrou o BO. 

Na manhã seguinte, a vítima relatou o que sofreu à promotoria de justiça de Direitos Humanos, Controle Externo da Atividade Policial, Execuções Penais, Penas e Medidas Alternativas de Santarém. A violenta agressão teria sido motivada pelo não pagamento de dívida no valor de R$2 mil. Geuciane é casada com o sobrinho do marido de uma das agressoras. 

Só depois que o Ministério Público determinou a abertura de inquérito a professora foi ouvida em depoimento na 16ª Seccional de Polícia Civil, pelo delegado Herberth Farias Jr., que agora apura as acusações de tortura, cárcere privado e lesões corporais contra Marilza Serique (ex-secretária adjunta de Educação de Santarém), suas filhas Samai e Saron Serique, o filho Júlio Cezar Navarro e o genro Juscelino.

Alunos de Geuciane fizeram ato público ontem à tarde em frente à delegacia e vão acompanhar a apuração. O Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública no Pará (Sintepp) divulgou nota de solidariedade à vítima, repudiando a selvageria. O MP aguarda o fim do inquérito para a ação penal.

(com informações do MPE-PA)

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *