Área contígua ao centro histórico de Belém do Pará, Zona Especial do Patrimônio Histórico declarada por lei, o bairro do Reduto, cenário industrial da belle Époque, da Doca do Reduto no início do século XX, com suas canoas coloridas repletas…

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça fixou, sob o rito dos recursos repetitivos, a tese de que o servidor federal inativo, independentemente de prévio requerimento administrativo, tem direito à conversão em dinheiro da licença-prêmio não usufruída durante a…

O prefeito Edmilson Rodrigues cumpriu agenda institucional em Brasília, ao lado do secretário municipal de Gestão e Planejamento, Cláudio Puty. No Ministério da Economia, trataram das obras de saneamento básico no Canal do Mata Fome, no bairro do Tapanã, onde…

O leite materno contém propriedades importantes para o crescimento e desenvolvimento do bebê, fortalecendo a sua imunidade contra diversas doenças. Em 1992 a Aliança Mundial de Ação Pró-Amamentação criou a Semana Mundial de Aleitamento Materno, de 1 a 7 de…

Professor da Semec desabafa

“Tem certas coisas que não dá pra entender ou fico na impressão que tudo é puro marketing, pois pouco se faz na prática desta gestão do Zenaldo. Acabei de sair de uma triste e lamentável reunião na Escola Manuela Freitas, que fica localizada em frente ao Berço de Belém, em São Braz. A referida reunião era pra comunicar que o EJA está sendo extinto da escola e todos os alunos que até aqui se pensavam que estavam matriculados e já em curso o ano letivo “devem dar seu jeito” e os professores procurarem a SEMEC pra lotação em outra escola, simples assim. O pau cantou na reunião, deveras! Ninguém em sã consciência concordaria com argumentos tão sem lógica, o do que a Escola não atingiu o numero mínimo de alunos por turma, que são 25. O fato é que há turma de 18, 19, 24 e ainda não encerrou as matrículas e as aulas ainda estão iniciando. É claro que o motivo não é esse, mais sim uma briga com a diretora da escola que não acompanha, defende, participa ou tão pouco vai ao trabalho, deixando Manuela Freitas acéfala o ano todo. Para conhecimento de todos, a Escola Manuela Freitas funcionava na Gentil e a prefeitura fechou arbitrariamente para reforma e está lá, somente os escombros, deixando alunos, professores e corpo técnico vagando pelos porões de prédios na periferia como foi no Lar de Maria, Capuchinhos e agora num prédio alugado em frente ao Mercado de São Braz. Interessante se notar que em nenhum momento a SEMEC quis saber ou deu condições de trabalho aos educadores e demais profissionais.
O Ministério Público, vereadores, deputados, a Justiça paraense precisam saber disso e tomar uma atitude, pois não se detona com as vidas das pessoas desta forma.
Prefeito Zenaldo, isso é completamente contraditório com o que essa belíssima jornalista posta em sua página. Na segunda os estudantes vão pra escola e não vão arredar pé de seus direitos de estudar.”

NOTA DO BLOG: o desabafo acima é de um professor da rede municipal na caixinha de comentários do blog, no post Belém sai na frente contra trabalho infantil. Pedi ao coordenador de Comunicação da Prefeitura de Belém, Mauro Neto, o posicionamento oficial sobre o problema, antes da publicação. Ele me disse que podia publicar e depois enviaria uma nota, como resposta.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *