Hoje a Assembleia Legislativa do Pará retomou seus trabalhos no segundo período legislativo do terceiro ano da da 19ª Legislatura, de forma totalmente presencial, apesar da reforma do prédio sede do Palácio Cabanagem e do próprio plenário Newton Miranda. Após…

Em visita oficial, a Academia Paraense de Jornalismo e a Comissão de Defesa do Patrimônio Histórico do Instituto Histórico e Geográfico do Pará pediu ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, o veto à alteração dos nomes da Rua da Municipalidade…

O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

Procuradores do MPT agilizaram acordo

Os trabalhadores no comércio supermercadista de Belém e Ananindeua passarão a ter piso salarial de R$ 1.034 e tíquete-alimentação de R$ 220. Gerentes, chefes de setor e outros ficaram com a reposição de inflação de 7,68%. Estas foram as principais conquistas após a greve que paralisou as principais lojas do setor em Belém do Pará. Outro avanço é o não desconto dos dias paralisados, bem como a manutenção dos empregos por pelo menos um mês. Se houver demissão de algum trabalhador em decorrência da greve, será considerada falta grave, passível de ação do Ministério Público do Trabalho, que mediou o acordo entre o presidente do Sindicato dos Supermercados do Estado do Pará – Sindespa, empresário Fernando Brito, e o presidente da Fetracom e UGT Pará, Zé Francisco, além dos sindicalistas Antonio Caetano de Souza, presidente do SINTCVAPA; Eleonora Lopes dos Santos, do SINTCONC; Jorge Soares, do Sintracom; e Ivan Duarte, do SEC Pará. Estão mantidas as 42 horas semanais, fechamento dos supermercados aos domingos e feriados a partir das 14h, bem como o fechamento das lojas em pelo menos seis feriados ao longo do ano, conforme já estava previsto na última convenção coletiva de trabalho. A atuação dos procuradores do trabalho Hideraldo Machado e José Carlos Azevedo foi fundamental para a consecução do acordo que pôs fim ao movimento.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *