O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Processo dos jornalistas contra RBA volta ao TRT8

Só ontem foi publicado o acórdão da Sexta Turma do Tribunal Superior do Trabalho que determinou o retorno ao TRT 8ª Região (PA/AP) do processo que analisa o pedido de reintegração e o pagamento de indenização por danos morais a quatro jornalistas demitidos pelo grupo RBA, após o fim do período de estabilidade àqueles que aderiram à greve da categoria em 2013. Para a Turma, a apreciação do dano moral fica prejudicada, pois o Regional, ao julgar que a dispensa não foi discriminatória por não haver mais estabilidade, não se manifestou sobre a conduta antissindical da empresa. 

De acordo com a reclamação movida pelo Sindicado dos Jornalistas no Estado do Pará, o acordo coletivo de trabalho  garantia aos trabalhadores que aderiram à greve estabilidade temporária de 45 dias e as demissões se deram em retaliação aos envolvidos ativamente no movimento grevista e como forma de intimidar os demais profissionais. Requereu  a reintegração e o pagamento de indenização por danos morais.
O grupo RBA afirmou que as demissões ocorreram fora do prazo do acordo e dentro do seu poder diretivo. 

Para o juízo da 5ª Vara do Trabalho de Belém, o desligamento teve caráter retaliativo. No entanto, a sentença que determinou a reintegração dos jornalistas e condenou a RBA ao pagamento de R$ 30 mil de indenização a cada um foi reformada com o entendimento de que o empregador tem o direito de dispensar empregados que não gozam de estabilidade. 

No recurso de revista do Sinjor-PA ao TST, o relator, ministro Aloysio Correa da Veiga, considerou que a empresa exerceu de forma abusiva seu poder diretivo e caracterizou a dispensa como discriminatória, votando pelo restabelecimento da sentença. Mas o ministro Augusto César Leite de Carvalho abriu divergência e considerou que não houve discriminação porque a cláusula de estabilidade já  encerrada partiu de premissa “absolutamente impertinente”, porque se trata de conduta supostamente antissindical da empresa, e não de discriminação por força de uma cláusula.  O voto divergente foi acompanhado pela ministra Kátia Arruda, ficando vencido o relator.  

O processo RR-10327-88.2013.5.08.0005 pode ser acompanhado aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *