Os dirigentes do Sindicato e da Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa festejaram o resultado da reunião de hoje com o presidente da Alepa, deputado Chicão, que também convidou para o encontro o Chefe de Gabinete da Presidência, Reginaldo Marques…

A Administração Superior do Ministério Público do Pará está empenhada em fortalecer a atuação dos promotores de justiça no arquipélago do Marajó, onde a situação de extrema pobreza, agravada pela pandemia, perpetua crimes gravíssimos como os abusos e exploração sexual…

“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

Prisões, buscas e apreensões em prédios de luxo

Cinco Auditores-Fiscais e oito Analistas Tributários da Receita Federal do Brasil, quatrocentos Policiais Federais e dez servidores da Controladoria-Geral da União madrugaram hoje em endereços luxuosos, alguns em Belém e outros no interior do Pará. Consta que um deles é o elegante Edifício Aquarius. Em uma das casas, os policiais usaram “pé de cabra” para forçar o portão da garagem e entraram de metralhadora em punho, em lance cinematográfico, como se observa no vídeo.

Polícia Federal, CGU e Receita cumprem 95 mandados de busca e apreensão e 60 mandados de prisão em oito estados, na Operação Reditus – desdobramento da Operação S.O.S. deflagrada pela PF em setembro de 2020 -, com o objetivo de apurar irregularidades na contratação, pelo Governo do Estado do Pará, de quatro Organizações Sociais em Saúde para a gestão de cinco hospitais regionais e quatro hospitais de campanha montados para enfrentamento da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Os 12 contratos e termos aditivos, entre agosto de 2019 e maio de 2020, totalizam R$ 1,2 bilhão.

Ao longo de um ano, as investigações e análises de dados fiscais dos envolvidos permitiram a identificação de “núcleos” do grupo e a participação de cada um nos desvios de recursos públicos, lavagem de dinheiro, sonegação fiscal, fraude em licitações, falsidade ideológica, peculato, corrupção passiva e ativa e organização criminosa. Conforme a PF, após firmados os contratos de gestão com o Governo do Pará e o repasse de recursos, as Organizações Sociais subcontratavam outras empresas para prestar serviços nas unidades de saúde, numa prática conhecida como “quarteirização”.

Os contratos entre as OS e as subcontratadas eram superfaturados ou os serviços sequer eram prestados. O dinheiro, assim, era “lavado” e repassado para pessoas físicas e jurídicas integrantes do grupo, com aquisição de bens móveis e imóveis (carros de luxo, aeronaves, apartamentos e fazendas) em nome de interpostas pessoas (laranjas e testas-de-ferro), mistura de recursos ilícitos em atividade financeira lícita e investimento dissimulado na atividade pecuária, como arrendamento de fazendas e a compra de gado, além de pagamento de boletos bancários pelas empresas do grupo, em benefício próprio (boletagem).

A Receita Federal produziu relatórios apontando inconsistências fiscais dos investigados, identificando movimentações financeiras incompatíveis, além da propriedade de bens móveis e imóveis registrados em nome dos integrantes do esquema e de interpostas pessoas, “laranjas” ou “testas-de-ferro”. Os levantamentos iniciais apontam que os valores sonegados, só pelas pessoas jurídicas, ultrapassam R$ 100 milhões em tributos federais.

A 4ª Vara Federal de Belém decretou a prisão preventiva de seis envolvidos, prisão temporária de 54 investigados, e busca e apreensão em 95 endereços de pessoas físicas e jurídicas, cujos mandados estão sendo cumpridos em vinte e seis cidades nos estados do Pará, São Paulo, Goiás, Ceará, Amazonas, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Mato Grosso, além do sequestro de bens móveis e imóveis pertencentes ao principal operador financeiro da quadrilha, avaliados em mais de R$ 150 milhões, bem como o bloqueio de valores presentes nas contas bancárias das pessoas físicas e jurídicas investigadas, que alcançam mais de R$ 800 milhões. Também foi determinada a suspensão das atividades de duas empresas utilizadas para lavagem de capitais.

A denominação da Operação, Reditus, alude à palavra, em latim, que significa regresso, volta, retorno. É que os integrantes do grupo criminoso chamavam os valores desviados de “volta”.

As fotos são da Polícia Federal.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

2 comentários

  1. Esses malfeitores devem ser todos presos e pagarem o que retiraram indevidamente da sociedade.

  2. Com a justiça que temos não pegará nada com esta gente a não ser curtir a vida com o dinheiro roubado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *