Lançamentos literários, apresentações de teatro, oficinas voltadas para as culturas pop e japonesa, arrecadação de livros, atividades pedagógicas e lúdicas direcionadas ao público infantil, entre outras ações, estão no cardápio de cultura e arte servido aos visitantes do estande da…

O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Prefeito passa batata quente a secretário

O TJE-PA aceitou
hoje denúncia oferecida pelo Ministério Público contra o prefeito de Vitória do
Xingu, Erivando Oliveira Amaral, acusado de fazer despesas irregulares, fraudar
licitações e nomear Hausdmirgston Silveira Guimarães coordenador de educação da
zona rural do município sem constar a nomeação na folha de pagamento. O mesmíssimo Hausdmirgston, sem qualquer
processo licitatório, era prestador de serviços de transporte da rede escolar municipal.
O prefeito
se defende argumentando que não sabia
das irregularidades, e que não há assinatura sua nos contratos firmados com o
impronunciável Hausdmirgston, assim como nos cheques que ele recebeu. Diz também
que a ordenação de despesas no município é descentralizada, e que quem
autorizou e assinou o contrato para locação do veículo de transporte escolar
foi o secretário municipal de Educação. Alega ainda que os pagamentos eram via
internet (?).
O relator,
desembargador Rômulo Nunes, pontuou: “Querendo
ou não, era o alcaide o chefe maior da municipalidade e, portanto, ordenador de
despesa do município, responsável pelo controle financeiro e pelos atos de seus
secretários. Se o prefeito tinha ou não conhecimento dos atos criminosos supostamente
praticados pelo seu secretário, só a instrução será capaz de provar
”.
Hoje também foram
abertas ações penais contra os prefeitos de Santa Luzia do Pará, Lourival
Fernandes de Lima, e de Colares, Ivanito Monteiro Gonçalves, por crime de
responsabilidade. Eles não prestaram contas dos balanços financeiros
quadrimestrais referentes a 2011. O relator dos dois processos também é o
desembargador Rômulo Nunes.
O prefeito
de Prainha, Sérgio da Graça Amaral Pingarilho, é outro denunciado pelo MP sob a
mesma acusação de não prestar contas. Mas tratou de sanar a irregularidade e as
Câmaras Criminais Reunidas, sob a relatoria do desembargador João Maroja,
rejeitaram a denúncia.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *