O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Prefeitos na mira da Justiça

A luta contra a corrupção é árdua mas de vez em quando colhe bons
frutos. A condenação, pela Justiça Federal, dos ex-prefeitos de Portel, Elquias
Nunes da Silva Monteiro, e de Vitória do Xingu, Anselmo Hoffmann, por
improbidade administrativa e malversação de recursos públicos, a pedido do
Ministério Público Federal, sinaliza a eficácia das denúncias.

Em Portel, no
arquipélago do Marajó (PA), R$ 119.919,80 foram desviados do Fundo de
Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do
Magistério (Fundef), em 2000. Em Vitória do Xingu, no sudoeste do Pará, R$
118.595,07 do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), destinados
à implantação de programas de apoio para jovens e adultos, tomaram outro rumo em 2003.

Já o prefeito
de Alenquer (PA), João Damaceno Filgueiras, foi denunciado por superfaturamento
na compra de móveis escolares e dispensa indevida de licitação com recursos
recebidos do Fundef, entre 2001 e 2002. A secretária de Educação do município,
Roselita Cardoso, servidores da comissão de licitação e empresários também
estão encalacrados. Só para terem uma ideia, compra de carteiras e quadros de
giz, em convite vencido pela Construcil Construções e Serviços Ltda.,
administrada por Valdemir Paiva, custou 225% a mais que no mercado.

Em outras duas
licitações, para aquisição de 5.600 carteiras escolares, a diferença entre o
valor pago e o praticado no mercado chega a 64%. E os móveis sequer foram
entregues. Outro escândalo é a contratação sistemática de hotel que funcionava
no prédio do vice-prefeito na época e atual vereador Edson Batista de Macedo, acusado
de receber em torno de 80% do lucro das hospedagens.

Segundo o procurador da República Carlos Alberto Vilhena, a empresa
fornecedora de materiais de limpeza, expediente e manutenção pertence a Igo
Ferreira Ricardo, neto do vice-prefeito e atual vereador Edson Batista de
Macedo.

O MPF pediu ao
TRF da 1ª  região a condenação de
João
Piloto
, Ricardo Mendes Galvão, Alda Luz Duarte, Miracelma Oliveira dos
Santos,Cleuder Edir Picanço, Andréia Meira Filgueiras, Joel de Assunção Flexa, Laelton
Nogueira Soares, Ozair de Sena Bentes, Basílio Rosa da Silva, José Vinhote
Meireles, Antônio Ferreira Melo, Antônio Corrêa Freitas, Manoel Luiz Pereira,
Renaldo Viegas Bacelar, e Raimundo Cezar de Souza, por desvio de verbas
públicas. Acompanhem os processos nº 0058758-21.2011.4.01.0000 e
  0058751-29.2011.4.01.0000.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *