O presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, foi aclamado ontem por servidores e deputados após a sessão plenária, que se estendeu até as 15h, ao entregar os espaços reformados que já estão prontos para utilização. É que, em…

O delegado de polícia de Oriximiná, Edmílson Faro, prendeu o vigia Ailton Ferreira da Silva a pedido do presidente da Câmara Municipal, vereador Marcelo Andrade Sarubi (PSDB) e do vereador Márcio Canto (PTB) e, na presença de ambos e do…

Primeira do Brasil totalmente focada na educação para o trânsito, a biblioteca do Detran-PA foi criada em 1998 e começou direcionada ao público interno, funcionando no antigo prédio do órgão, ao lado da Ceasa. Em 1º de novembro de 1999,…

A Prefeitura de Belém vai revitalizar dezesseis imóveis do município que estão há anos em situação de abandono. Além do resgate do patrimônio histórico, artístico e cultural, a intenção é reduzir gastos com aluguéis de prédios que abrigam órgãos municipais.…

Prefeito desobediente

Mesmo com pareceres contrários do Ministério Público e da Secretaria de Estado de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia, por razões ambientais e técnicas, a Prefeitura de Marabá despejou, no terreno destinado à construção da fase II do Distrito Industrial de Marabá, grande quantidade de lixo na área de piçarreira. O local fica a menos de 5 Km do aeroporto e a menos de 1 Km do rio Itacaiúnas, que banha a cidade junto com o Tocantins.
A iniciativa pode comprometer também a implantação do Complexo Industrial de Marabá, que vem sendo construído no local pelo governo do Estado. De acordo com a Resolução 004/95, do Conselho Nacional de Meio Ambiente, não são permitidos aterros dentro de um raio de 20 Km da localização do aeroporto. A legislação também veda nessas áreas a implantação de atividades que sejam foco de atração de pássaros, pelos riscos à navegação aérea.
O Complexo Industrial de Marabá envolve a implantação de usina siderúrgica de grande porte e construção de arco rodoviário para integrar o complexo industrial a um porto público, e não pode abrigar o lixão, cujo chorume pode causar combustão – muitos projetos previstos na fase 2 do Distrito Industrial vão trabalhar com produtos derivados de petróleo. O caso já foi notificado à Secretaria de Meio Ambiente, à Delegacia de Meio Ambiente e às Polícias Civil e Militar.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *