A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Prefeito altera feriado estadual via decreto


O espírito de Sucupira baixou em Oriximiná. O prefeito Antonio Odinélio Tavares da Silva, o Ludugero, baixou um decreto, baseado – diz que – na Lei Orgânica do Município – antecipando para esta segunda-feira, 14, o feriado estadual de 15 de agosto, alusivo à Adesão do Grão-Pará à Independência do Brasil. Como manda o bom senso, a Constituição e a lei federal, para tomar tal medida, Ludugero primeiro teria que se eleger governador e combinar com a Assembleia Legislativa. Além de invadir a competência estadual, o prefeito nem deu bola para a Câmara Municipal.

Ora, a competência para legislar sobre a matéria cabe privativamente à União, conforme o artigo 22, inciso I, da Constituição Federal. É que os feriados se incluem, especialmente, nas áreas de Direito Civil, Comercial e do Trabalho. 

A diferença entre competência exclusiva e competência privativa é que aquela é indelegável e esta é delegável. Pois bem. A Lei federal nº 9.093/1995, que rege os feriados, delega a Estados e Municípios esse poder dentro de limites nela fixados. E o campo normativo passível de preenchimento pelo Município é restrito à fixação dos dias de início e término do ano do centenário de fundação e dos feriados religiosos, respeitada a tradição local e o máximo de quatro datas, sendo uma delas obrigatoriamente a Sexta-feira da Paixão. 

Em 2015, o prefeito de Muzambinho (MG) baixou um decreto alterando a data do feriado do padroeiro da cidade, São José, de quinta-feira (19) para sexta-feira (20). A intenção era emendar o feriado com o fim de semana. O pároco local não foi avisado e não faltaram reclamações da população. O Ministério Público considerou a medida ilegal, e o prefeito teve que revogar o ato. 

Em fevereiro deste ano, o prefeito de Sarandi(RS) fez tudo certinho: chamou o pároco, o presidente da Câmara e vereadores, além do presidente da Associação Comercial local, e pediu a transferência do feriado do dia 13 de junho (Santo Antônio), que caía na terça-feira, para o dia 11 de junho, domingo.  Alegou que na mesma semana haveria o feriado de Corpus Christi, dia 15 de junho, quinta-feira, o que prejudicaria as atividades industriais e comerciais do município. Ao fim, todos acordaram e assinaram um termo de compromisso, e em seguida o projeto foi apreciado pela Câmara de Vereadores, com o importante detalhe de que a alteração só aconteceria neste ano de 2017. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *