Nesta terça-feira (29) a presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Pará, desembargadora Luzia Nadja Guimarães Nascimento, inaugura a sala da Ouvidoria da Mulher, espaço para sugestões, reclamações e denúncias relativas à violência contra à mulher, direitos políticos e à igualdade…

A praça do Mascate, na esquina da Av. Visconde de Souza Franco (Doca) com a Trav. Antônio Barreto, no bairro do Reduto, está sendo transformada em Praça Pet, espaço de lazer para os moradores e animais de estimação. O local…

Foi aberto ontem (25) um novo retorno para veículos no Km 08 da BR-316, perto de uma loja de peças de motos no sentido entrada de Belém, e em frente à Escola Raimundo Vera Cruz, no sentido de saída da…

A construção do muro de arrimo e urbanização da orla da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, avança ao longo de 1.200 metros de extensão. Gerenciadas pelo Governo do Pará, via Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas, já foram executadas as…

POVOS INDÍGENAS KA’APOR E MÊBÊNGOKRE- KAYAPO


O Museu Paraense Emílio Goeldi e a Escola da Biodiversidade Amazônica – EBio/INCT Biodiversidade e Uso da Terra na Amazônia promoveram uma roda de conversa com a antropóloga Claudia López sobre o cotidiano dos povos indígenas Ka’apor e Mêbêngokre- Kayapo e a produção de artesanato como prática sustentável.

Claudia coordena o subprojeto “Laboratório de Práticas Sustentáveis em Terras Indígenas”, cujo principal objetivo é o diagnóstico etnoambiental das terras indígenas nas aldeias Las Casas (PA) e Alto Turiaçu (MA), a fim de detectar o estado atual dos recursos naturais, avaliar as relações das comunidades com o meio ambiente e determinar de que maneira os diversos conflitos na região influenciam na biodiversidade. O projeto pretende ainda criar um laboratório de práticas sustentáveis nas Terras Indígenas para incentivar a recuperação de áreas degradadas e a implementação de alternativas de geração de renda baseadas no aproveitamento de recursos florestais não madeireiros.

A etnia Mebêngôkre -Kayapó vive em aldeias localizadas em ambas as margens do rio Xingu. No século XIX os Kayapó estavam divididos em três grandes grupos, os Irã’ãmranh-re, os Goroti Kumrenhtx e os Porekry. Destes, descendem os sete subgrupos Kayapó atuais: Gorotire, Kuben-Krân-Krên, Kôkraimôrô, Kararaô, Mekrãgnoti, Metyktire e Xikrin.

Os Ka’apor integram um grupo cuja identidade é reconhecida há trezentos anos na região entre os rios Tocantins e Xingu. Acredita-se que devido aos conflitos com colonizadores e outros povos indígenas eles acabaram migrando para o Maranhão, onde habitam na terra indígena Alto Turiaçú. Recentemente, novas invasões em suas terras colocaram sua sobrevivência étnica em risco.

A Escola da Biodiversidade Amazônica é um sub-projeto do INCT Biodiversidade e Uso da Terra na Amazônia e que alia as áreas da educação e da comunicação da ciência. A Ebio propõe e debate práticas pedagógicas nas escolas, estimula a educação científica e ambiental e a educomunicação, promovendo o uso de multimídias para facilitar as trocas comunicacionais.

INCT Biodiversidade e Uso da Terra na Amazônia – O programa interinstitucional sob a coordenação do Museu Paraense Emílio Goeldi, tem como foco o desenvolvimento de pesquisas, ações educativas e de comunicação da ciência na região do Arco do Desmatamento, uma área de 244.420 km² que se estende pelo sul da Amazônia, do Maranhão ao Acre. O objetivo é a criação de um centro de excelência para o estudo da biodiversidade e da paisagem amazônica a partir de uma abordagem integrada e multidisciplinar.

Fonte: *Com informações da Agência Goeldi.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *