A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Portus à beira da insolvência


Aposentados e pensionistas receberão 51% a menos, ativos pagarão a maior, contribuições extraordinárias durarão 17 anos. A situação do Portus, sob intervenção federal desde agosto de 2011, é cruel. O déficit já era de R$1,7 bilhão em dezembro de 2016. E o paraense secretário nacional dos Portos, Luiz Otávio Oliveira Campos, poderá passar à história como o coveiro do instituto e dos portuários. Ele acaba de despachar nota técnica e pedido de providências endossando medidas sugeridas pelo interventor. Diz que, caso contrário, só restará a liquidação extrajudicial, com suspensão dos pagamentos aos beneficiários. 

As contas continuam no vermelho e as dívidas de contribuições das empresas patrocinadoras, bem como do RTSA (Tempo de Serviço Anterior), estão sendo cobradas na Justiça. Além do mais, o governo federal também está sendo cobrado por conta da dívida da extinta Portobrás. 

A despesa mensal do Portus chega a R$ 17 milhões, enquanto que a receita não passa dos R$ 8 milhões. Mas o instituto dispõe de R$ 160 milhões em liquidez (facilidade de converter o ativo em dinheiro, vendendo). Urge achar uma saída que não seja penalizar os portuários.

Vejam a nota técnica e o encaminhamento de Luiz Otávio à Casa Civil da Presidência da República.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *