A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

População de Outeiro continua no sufoco

Na sexta-feira, 11, a Prefeitura de Belém reforçou a frota do transporte público no distrito de Outeiro com mais sete ônibus na linha interna da ilha, a fim de atender aos justos reclamos da população de quase cem mil pessoas, que só dispunham de três ônibus velhos. Acontece que não foi divulgada a rota e nem as paradas desses veículos, por isso em nada melhorou a mobilidade dos moradores do distrito, que continuaram a ter que pagar R$2 às vans para conseguir chegar em suas casas.

Por outro lado, a desorganização perdura no embarque e desembarque das balsas nos trapiches da ilha e em Icoaraci. São horas de espera, sob o sol ou chuva, e empurra-empurra na saída, o que já resultou em quedas e pisoteio de pessoas idosas e com dificuldade para se locomover.

No sábado, a multidão que desembarcou em Outeiro depois da penosa espera pela travessia teve que ficar esperando horas a fio pela boa vontade dos motoristas de oito ônibus, que estavam reunidos em um bar, insensíveis ao sofrimento dos usuários. As balsas só começam a operar às 5h30 mas os trabalhadores e trabalhadoras que precisam chegar cedo em Belém se aglomeram desde as 4h. E são obrigados a pagar aos barquinhos po-po-pôs para fazer a travessia e não perderem seus empregos. É muito sofrimento e indignação.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *