Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Ponte do Outeiro será estaiada e com dolfins

A promotora de justiça Ângela Maria Balieiro Queiroz, pelo Ministério Público do Estado, e o procurador Patrick Bezerra, do Ministério Público de Contas do Pará, acompanharão a contratação da obra de reconstrução da ponte Enéas Pinheiro, que interliga os distritos de Icoaraci e Outeiro, em Belém, cujo pilar central desabou e ainda está em andamento a apuração das circunstâncias e responsabilidades. A estrutura deverá ser redimensionada, adotando o estaiamento, de modo a permitir a ampliação do vão central para cem metros (atualmente é de 60m), e já preparando a base para futura duplicação das pistas, considerando o crescimento populacional e da demanda na ilha. A solução de engenharia também vai facilitar a navegação na área.

A ponte também será totalmente restaurada, desde os pilares remascentes, tabuleiro, guarda-corpos, pista de rolamento em asfalto e vai receber a instalação de defensas de proteção, conforme informação do secretário de Estado de Transportes, Adler Silveira.

A ponte estaiada é considerada a principal solução para vencer grandes vãos. O recurso é empregado no cruzamento de rios ou canais que necessitem de espaço para passagem de embarcações. Em distâncias maiores que 150 metros nada justifica a utilização de outra solução que não esta, já que ela é a alternativa mais moderna, bonita e economicamente viável hoje, pontuam os engenheiros especialistas. Em vãos mais curtos, porém, o custo fica mais elevado.

Quatro elementos principais compõem esse tipo de ponte: os estais, os mastros, o tabuleiro e a fundação. Todos fazem parte de um sistema integrado. Os estais não são nada sem o mastro que, por sua vez, não tem função sem o tabuleiro, que é sustentado pelos estais. Cada parte tem sua relevância e, se a fundação começa errada, a ponte está fadada a cair.

Conforme a direção dos estais, as pontes estaiadas são classificadas em harpa (os cabos correm paralelos a partir do mastro, a altura de fixação do cabo ao mastro é proporcional à distância entre o mastro e o ponto de fixação deste cabo ao tabuleiro) e leque (os cabos conectam-se ou passam pelo topo do mastro). O mais bonito é o modelo em harpa, mas as pontes em leque são mais baratas. O indicado é mesclar as alternativas na mesma ponte.

O tempo de construção da ponte estaiada depende, basicamente, dos recursos disponíveis e do tamanho. O governador Helder Barbalho ainda não dispõe do projeto básico.

A ponte sobre o rio Guamá, da Alça Viária, a primeira a usar essa tecnologia no Pará e uma das pioneiras em todo o Brasil, tem vão central estaiado com 320m e vãos menores de 131m, mastros com cem metros de altura e vãos de acesso em vigas pré-moldadas com 30m de extensão, totalizando 1.932 m de comprimento total. A ponte sobre o rio Moju, reconstruída com estais e renomeada ponte União, tem dois vãos de navegação com 134 metros divididos pelo mastro, ambos suportados por quarenta estais, distantes 12 metros um do outro.

Uma medida que se impõe é a instalação de dolfins, sistema de defensas flutuantes que pode ser reforçado por blocos em concreto para proteger a estrutura de eventuais colisões com embarcações. Além disso, a adoção do modal hidroviário não só como alternativa de transporte, reduzindo a poluição, congestionamento de vias e acidentes, como também para aproveitamento turístico, com geração de novos negócios e empregos, e incentivo a esportes náuticos olímpicos como remo e vela. Uma cidade amazônica com 39 ilhas refém do rodoviarismo é algo que contraria o bom senso.

A foto é da Ponte União, sobre o rio Moju.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *