A 27ª Unidade de Conservação do Estado do Pará abrange os municípios de Jacareacanga e Novo Progresso, no sudoeste paraense. O Decreto nº 1.944/2021 foi assinado pelo governador Helder Barbalho na quinta-feira, 21, e publicado ontem (22) no Diário Oficial…

O Atlas da Dívida dos Estados Brasileiros, lançado no Fórum Internacional Tributário pela Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital, aponta que a dívida ativa das empresas com os entes federados soma estratosféricos R$ 896,2 bilhões, significando 13,18% do PIB…

Ao abrir oficialmente o Forma Alepa/Elepa, o presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, destacou a importância do trabalho que vem sendo executado pela Escola do Legislativo, treinando, qualificando e atualizando gestores, vereadores e servidores públicos, que dessa forma…

Em Itupiranga, força-tarefa do Ministério Público do Trabalho no Pará e Amapá, Auditoria Fiscal do Trabalho, Defensoria Pública da União e Polícia Federal resgatou sete trabalhadores em condições análogas às de escravos, em duas fazendas no sudeste paraense, e prendeu…

Pobre rica Parauapebas

Em Parauapebas, cidade rica do sul do Pará com população em torno dos 200 mil habitantes, o clima é tenso. Pela terceira vez, o promotor de Justiça local, Hélio Rubens Pinho Pereira, apoiado pelo Núcleo de Combate à Improbidade Administrativa e Corrupção e pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público estadual, deslanchou ontem nova fase da Operação Filisteus, que investiga denúncias de fraudes em contratos e licitações em empresas que prestam serviço para a Câmara Municipal. Desta vez, 11 mandados de busca e apreensão e 2 de prisão foram cumpridos. O capitão PM Dercílio Júlio foi preso, acusado de ser sócio oculto da empresa Torres & Moreno, que tem vários contratos com a Câmara. A  advogada Betânia Viveiros Amorim, acusada de ser a mandante do assassinato do seu sócio, advogado Dácio Cunha (caso que envolve também o capitão Dercílio Júlio), foi presa porque estaria articulando manobras visando afastar o juiz do caso. 

Desta vez a ação focou apenas nos contratos. Mas, no dia 26 de maio de 2015, a primeira Operação Filisteus teve como alvos nada menos que 15 vereadores de Parauapebas, acusados de corrupção. Desmontou esquema criminoso oriundo de fraudes em processos licitatórios e superfaturamento de terrenos desapropriados pela prefeitura, além de emissão de notas fiscais frias e desvio de recursos públicos entre membros da Câmara e o comércio na região. Na época foram presos o vereador Odilon Rocha de Sansão (PMDB) e o empresário Edmar Cavalcante, conhecido como “Boi de Ouro” acusado de emitir e vender notas fiscais frias.  

Já na segunda fase da Operação Filisteus, ainda no ano passado, o vereador e ex-presidente da Câmara, Josineto Feitosa (SDD), foi preso por suspeita de fraudar licitações na prefeitura do município. Seu cunhado e assessor, Herbert Herland Matias de Gomes, teve a prisão decretada.

Na disputa pela prefeitura de Parauapebas, estão na frente os ex-prefeitos Darci Lermen(PMDB) e o atual, Valmir Mariano(SDD). A sede do poder Executivo local tem o sugestivo nome de Palácio do Morro dos Ventos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *