A juíza Sara Augusta Pereira de Oliveira Medeiros, titular da 3ª Vara Cível, Infância e Juventude, Órfãos, Interditos e Ausentes de Castanhal (PA) exarou uma sentença emblemática, em plena Semana da Pessoa com Deficiência: obrigou a Escola Professor Antônio Leite…

Observando que é irracional o deslocamento de grande quantidade de pacientes em busca de tratamento, o Ministério Público do Pará ajuizou Ação Civil Pública contra o Estado do Pará e o Município de Marabá, para a criação de Unidade de…

O governador Helder Barbalho sanciona hoje à noite, em cerimônia no auditório do Centur, o 'Vale Gás' e o 'Água Pará', destinados a famílias de baixa renda ou em situação de vulnerabilidade social. Ambos serão gerenciados e fiscalizados pela Secretaria…

Ciclistas liderados pelo grupo Pedal Mulher Nota 100, com apoio de alunos e voluntários da Universidade Federal do Pará e da Academia Paraense de Jornalismo, realizarão uma performance, nesta quinta-feira (23), das 8h às 10h, a fim de chamar a…

PF solta nomes da Operação Miqueias

A Operação Miqueias está fedendo. Três deputados federais flagrados
pela escuta telefônica em ligações suspeitas com o esquema de lavagem de
dinheiro e desvio de recursos de fundos de pensão já tiveram seus nomes
expostos pela Polícia Federal, que também deixou escapar que um governador
estaria envolvido, sem dizer qual, o que só aumenta o frenesi nacional. Prefeitos
e até funcionários da Presidência da República e do Ministério da Previdência,
estes já exonerados, estão no olho do
furacão
. As investigações já estão no STF.
Além das conversas telefônicas, a PF identificou valores lançados numa
agenda do doleiro Fayed Traboulsi, o que levantou a suspeita de pagamentos de
comissão. O nome do deputado Eduardo Gomes(PSDB-TO), atual secretário de
esporte de Tocantins, aparece ao lado de valores, por exemplo. Waldir Maranhão (PP-MA) e David
Alcolumbre(DEM-AP) aparecem nas gravações.
O deputado David Alcolumbre admite que conversou com o doleiro
“umas três vezes”, mas só sobre política, seu Estado e a relação com
o Congresso. O deputado Eduardo Gomes confirma que “conhece
socialmente” o doleiro há muitos anos, disse que Fayed o procurou e pediu
indicação de prefeitos para oferecer fundos de investimentos, que os prefeitos reuniram
mas não fecharam nenhum negócio com ele, e nega ter recebido qualquer valor
para intermediar os encontros.
A quadrilha oferecia vantagens indevidas a prefeitos e gestores de
previdências municipais para que investissem em fundos suspeitos. A fraude movimentou
R$ 300 milhões em 18 meses. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *