No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Quase todo mundo já caiu na tentação de comer ou beber além do necessário, mas a data, 26 de janeiro, foi criada a fim de conscientizar a população sobre os perigos que a compulsão alimentar oferece à saúde. Neste ano,…

"Por muito tempo, nós, da Diretoria Executiva da Unimed Belém nos silenciamos diante das barbaridades que estavam sendo disseminadas entre os colegas nos recusando a entrar no jogo de convencimento de cooperados, pois acreditamos que a verdade sempre prevalece, ou…

A Fundação Cultural do Pará divulgou Edital de Credenciamento de Prestadores de Serviços com nova Instrução Normativa para a contratação de oficineiros, monitores, instrutores e palestrantes que irão trabalhar nas ações desenvolvidas pela instituição em 2023. Podem se candidatar pessoas…

Pedrais do Lourenço

Uma das Pedras do Lourenço. Foto arquivo AHIMOR
A licitação dos serviços de derrocamento dos pedrais de São Lourenço, no rio Tocantins, próximo a Itupiranga, foi concluída. O DNIT ainda não anunciou oficialmente a empresa vencedora. Após a homologação, o contrato será assinado e emitida a ordem para o início das obras. A intervenção – desgaste das pedras que estão no fundo do rio – vai permitir a navegabilidade em um trecho de 500 Km, entre os meses de setembro a novembro, quando o nível das águas do Tocantins baixa em função da estiagem na região.
Os serviços são complementares ao Sistema de Transposição de Tucuruí, inaugurado em novembro do ano passado. Também deverá ser executada a dragagem e a sinalização do trecho, que integra o corredor logístico Centro-Norte, de Marabá a Vila do Conde, em Barcarena. Além da construção de terminais hidroviários ao longo do trajeto, será implantado o Porto de Marabá, incluindo uma plataforma multimodal, integrando a Ferrovia dos Carajás e a rodovia BR-230 à hidrovia.
Hoje, apenas 13% das cargas brasileiras segue por vias fluviais, embora o modal aquaviário alie economia a sustentabilidade, porque reduz custos de transporte e diminui a poluição do ar, retirando carretas das rodovias e tornando os produtos nacionais mais competitivos no mercado. Cada comboio de 150 metros de comprimento tem capacidade de 6 mil toneladas de carga, o equivalente a 172 carretas com 35 toneladas. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *