Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

O juiz federal Henrique Jorge Dantas da Cruz condenou a União e o Estado do Pará à obrigação de fornecer Cerliponase Alfa (Brineura®) a uma criancinha de quatro anos durante todo o período de tratamento, sem interrupção. O remédio deverá…

A Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária da Assembleia Legislativa aprovou à unanimidade, hoje (15), as contas do governador Helder Barbalho relativas ao exercício de 2020. Conforme o relatório do presidente da CFFO, deputado Igor Normando (MDB), a receita bruta…

Pedofilia e violência no quartel

O promotor de Justiça Militar Armando Brasil encaminhou ao Procurador Geral de Justiça do MPE-PA cópia da denúncia e certidão de trânsito em julgado de decisão da Justiça Militar condenando o Ten. PM Carlos Bernardo Leite da Cunha a pena de reclusão de 4 anos por abusar sexualmente de uma criança de 09 anos de idade em pleno quartel do Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças da PM. A menina é filha de uma sargento e tinha sido incumbida pela mãe de entregar uma chave ao tenente pedófilo. O objetivo da promotoria militar é dar cumprimento ao art. 99 do Código Penal Militar e art. 125, § 4, da Constituição Federal, que determinam que militares condenados a pena superior a 2 anos com trânsito em julgado da sentença sejam submetidos a processo disciplinar de perda de posto ou graduação perante o TJE. 


O atuante promotor Armando Brasil também denunciou à Justiça Militar o 1º Tenente PM João Carlos das Neves Soares e o Cabo PM Vanes Fernandes da Silva por terem agredido com uma chave de braço e socos a jornalista Maria Humbertina dos Santos Pimentel, em Marabá, durante abordagem, num bar chamado Voo Livre. O fato ocorreu em junho de 2012 e só demorou porque o promotor teve que mandar fazer laudo de exame de corpo de delito complementar que atestou lesões de natureza grave. A jornalista ficou impedida de trabalhar por mais de trinta dias. Além disso, houve constrangimento ilegal, pelo fato de ter sido revistada por PM do sexo masculino. A promotoria militar vem combatendo de forma veemente esse tipo de abuso, inclusive dentro da própria corporação, como foi o caso do comandante do CFAP em relação às alunas do curso de formação de soldados.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *