Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Patrono Brasileiro dos Direitos Humanos

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara Federal aprovou parecer favorável ao projeto de lei Nº 7.230/14, do deputado Arnaldo Jordy (PPS/PA), que declara Dom Helder Câmara “Patrono Brasileiro dos Direitos Humanos”. Figura emblemática, Dom Helder foi o único brasileiro a ser indicado quatro vezes para o Prêmio Nobel da Paz e deu grande contribuição na resistência ao regime ditatorial e para a redemocratização do País. “Dom Helder era mais que uma liderança religiosa, era referência na luta pela paz e pela justiça social”, frisa Jordy.
A matéria tem tramitação conclusiva e, caso não haja recurso para ir a Plenário, segue para apreciação pelo Senado. 

Dom Helder nasceu em Fortaleza(CE), em 7 de fevereiro de 1909, e morreu no Recife, em 27 de agosto de 1999. Arcebispo emérito de Olinda e Recife e um dos fundadores da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, é um ícone na luta contra o autoritarismo e em favor dos direitos humanos. Não hesitou em utilizar todos os meios de comunicação para denunciar as injustiças e pregava tanto no Brasil quanto no Exterior uma fé cristã comprometida com os anseios dos mais carentes.
Em 1969, recebeu o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade de Saint Louis, nos Estados Unidos. Este mesmo título foi-lhe conferido por diversas outras universidades brasileiras e da Bélgica, Suíça, Alemanha, Países Baixos, Itália, Canadá e EUA, além de Cidadão Honorário de 28 cidades brasileiras, de São Nicolau na Suíça e Rocamadour, na França. Recebeu, ainda, o Prêmio Martin Luther King, nos EUA, e o Prêmio Popular da Paz, na Noruega.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *