A Prefeitura de Belém está convidando os moradores da Cidade Velha à Consulta Pública sobre a reforma e revitalização do prédio ao lado da Igreja da Sé, onde por muito tempo funcionou a Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel).…

As eleições de 2022 coincidem com o bicentenário da Independência e os 90 anos de conquista do direito do voto feminino, ocorrida em 24 de fevereiro de 1932. Durante todo o Império, as brasileiras não puderam votar e somente 43…

O Ecomuseu da Amazônia, da Fundação Escola Bosque (Funbosque) promoveu no domingo, 25, na Ilha de Cotijuba, o roteiro patrimonial, pelo encerramento da 16ª Primavera dos Museus. Os visitantes conheceram o pólo do Ecomuseu, a história de Cotijuba, que passa…

A prefeitura de Portel, em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, lançou na sexta-feira passada (23) o projeto Marajó Sustentável, aliado ao Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Seringueira no Estado do Pará…

Parauaras desconhecem sua data magna

A incorporação do território da então Província do Grão Pará e Rio Negro ao Império Brasileiro, fruto de um engodo, ensejou em poucos meses a tragédia do brigue Palhaço e, mais de dez anos depois, a sangrenta Cabanagem, mas esse encadeamento histórico – e as suas nuanças e particularidades – não é explicado às crianças e adolescentes nas escolas do Pará. A data sequer é conhecida pela maioria da nova geração. E os mais velhos ainda acreditam que houve adesão do Pará à independência do Brasil. É a prova cabal da necessidade de passar a limpo a História. Não à toa, o Estado é celeiro e corredor de transporte da produção de grãos e minérios do Brasil, maior produtor nacional de energia elétrica, tem a maior bacia hidrográfica e o bioma mais diversificado do planeta, mas continua sem saneamento básico, energia elétrica, cobertura de internet e telefonia precária, pagando taxas exorbitantes por esses serviços, que não alcançam boa parte da população. Pior: seu calendário e transporte escolar,  vacinação, seus livros didáticos e sua matriz de transporte são distorcidos por serem ditados pela União, com base na realidade do Sul/Sudeste. A maioria absoluta do território paraense está sob o domínio da União, mas as transferências de recursos jamais espelharam essa realidade. O Pará permanece colônia, sem voz e sem peso nas decisões nacionais.

No hall de entrada principal da sede da Assembleia Legislativa do Pará, denominada Palácio da Cabanagem, há um painel que ocupa toda a parede de fundo. Trata-se de “A Adesão do Pará à Independência do Brasil”, pintado em 1971 pela alenquerense Anita Panzuti (com a colaboração de Betty Santos), que retrata o momento histórico: de um lado, o bispo Dom Romualdo Coelho assinando a proclamação da adesão do Pará à Independência do Brasil; ao centro, o imponente Palácio do Governo (Palácio Lauro Sodré, hoje Museu Histórico do Estado do Pará), e, no lado direito, o brigue Maranhão, com o qual o almirante inglês Lord Thomas Cochrane (a quem Dom Pedro passara o comando da Marinha do Brasil) encarregara seu compatriota capitão John Pascoe Greenfell de ameaçar bombardear Belém, afirmando que havia uma esquadra fundeada em Salinópolis, pronta para bloquear o acesso ao porto da capital, isolando a Província do Grão Pará do resto do Brasil, caso não se rendesse.

Naquele dia 15 de agosto de 1823, de triste memória, o mercenário inglês John Grenfell enganou os paraenses e, meses depois, para sufocar uma revolta popular, brutalmente prendeu e causou a morte, por sufocamento, de 252 dos 256 rebeldes jogados no porão do brigue Palhaço, isto depois de ter executado sumariamente cinco soldados. Até o cônego Batista Campos – jornalista, político, pioneiro da imprensa no Pará ao lado de Felipe Patroni e ideólogo da Cabanagem -, que tinha pedido a presença de Grenfell, foi por ele amarrado à boca de um canhão, e só escapou da morte pela interferência de terceiros e pelo receio de que seu assassinato reacendesse a revolta.

Quando deputado estadual, o grande jurista Zeno Veloso, autor do projeto de lei que instituiu o feriado alusivo à Data Magna do Pará, idealizou uma oportunidade para realizar solenidades cívicas e atividades educacionais que possibilitassem ao cidadão paraense conhecer e preservar a sua história. Pena que a inspiração da lei nunca tenha sido seguida.

Reproduzir a versão unilateral do vencedor em nada ajuda no resgate da memória parauara, nem no fortalecimento (ou mesmo germinação) do sentimento de pertencimento que, por nos faltar, leva à permanente entrega de nossas riquezas sem nada receber em troca. A Amazônia – o Pará em particular – continua medieval, em posição de vassalagem.

Belém poderia ser A Cidade Invicta, tal qual o Porto (durante as Guerras Liberais, de 1832 a 1834, a cidade portuguesa foi cercada pelas tropas absolutistas durante mais de um ano, e resistiu bravamente aos ataques de D. Miguel, assegurando a vitória dos liberais liderados por D. Pedro em todo o país). E o Pará em muito se inspirou na Revolução Constitucionalista do Porto, em 1822. Não por acaso o primeiro jornal de toda a Amazônia e Centro-Norte Brasileiro, O Paraense, defendia uma Constituição paraense.

Outro painel, instalado no plenário Newton Miranda, da Alepa, de autoria de Benedicto Mello, intitulado Cabanagem, retrata três momentos significativos da história do Pará: a Adesão do Pará à Independência, o Massacre do Brigue Palhaço (1823) e a Revolução Cabana (1835-1840). Na tela, se destaca a atuação do ativista e cônego Batista Campos: o líder cabano aparece amarrado à boca de um canhão pelo mercenário inglês John Grenffel, depois da descoberta da farsa que garantiu às elites portuguesas a manutenção do poder lusitano apesar da adesão, representada por um navio no horizonte.

O restauro desses dois painéis e de muitas outras obras históricas do acervo do Poder Legislativo, bem como a instalação da Escola do Legislativo e a biblioteca da Assembleia em prédio que terá essa exclusiva destinação, já determinada e em execução pelo deputado Chicão, presidente da Alepa, é a esperança de que a memória seja resgatada e valorizada.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *