Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

O juiz federal Henrique Jorge Dantas da Cruz condenou a União e o Estado do Pará à obrigação de fornecer Cerliponase Alfa (Brineura®) a uma criancinha de quatro anos durante todo o período de tratamento, sem interrupção. O remédio deverá…

A Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária da Assembleia Legislativa aprovou à unanimidade, hoje (15), as contas do governador Helder Barbalho relativas ao exercício de 2020. Conforme o relatório do presidente da CFFO, deputado Igor Normando (MDB), a receita bruta…

Para o Museu/Memorial do TRT-8ª

Vejam esta foto pinçada do fundo do baú da memória, registrando
o decano e ex-presidente do TRT da 8ª Região, desembargador do Trabalho Vicente Malheiros da
Fonseca, pilotando o famoso Barco da
Justiça do Trabalho Itinerante
, por volta de 1986, com seu filho Adriano, que
tinha uns 5 anos de idade. Na foto também aparece o juiz Pedro Mello, então
presidente do TRT8, em cuja administração foi implantada a Justiça Itinerante,
que atraiu a imprensa nacional e estrangeira, inclusive a reportagem de uma
revista da Alemanha, dado o ineditismo da iniciativa, no sentido de propiciar o
acesso à justiça, nos mais longínquos rincões da Amazônia.
Na época, Vicente Fonseca exercia o cargo de Juiz
Presidente da Junta de Conciliação de Abaetetuba (o primeiro órgão de 1° Grau
que se deslocou para Barcarena, nesse barco), e lá mesmo compôs a música “Justiça Itinerante“, que foi tocada
na  solenidade de posse da Desembargadora Francisca Formigosa na Presidência do Tribunal, executada pelo Coral e Banda da UEPA.
No barco havia uma sala de audiência e uma
secretaria. Nele viajavam juízes e servidores da Justiça do Trabalho da 8ª
Região. Os tripulantes eram servidores concursados do próprio Tribunal,
exercentes de cargos específicos (como comandante, marinheiro e taifeiro, por
exemplo, todos habilitados perante a Capitania dos Portos).
O projeto não prosseguiu por falta de recursos, pelo que o barco foi doado à Polícia Federal. Foi um
projeto histórico no TRT-8. O primeiro magistrado a viajar nesse barco foi José Augusto Affonso, já falecido, então Juiz Substituto, que funcionava
como Auxiliar, em Abaetetuba, na época da implantação da Albrás, quando o
movimento judiciário trabalhista ali era muito grande, bem superior a uma JCJ
(atual Vara do Trabalho) de Belém.

A foto bem poderia ser incorporada ao
Museu/Memorial do TRT-8ª Região.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *