O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Pará fora do Plano de Investimentos em Logística

Se
os políticos paraenses bobearem, o Pará
de novo levará rasteira do Maranhão, m
esmo
com todo o imenso potencial hidroviário que tem, além do
rodo-ferroviário e a localização estratégica de seus portos.

A Confederação Nacional do Transporte lançou, no fim de março,
uma pesquisa em que analisa quatro rotas para o escoamento de soja no País. As
rotas partem de Mato Grosso, do centro distribuidor de Lucas do Rio Verde, para
os maiores portos graneleiros.

Duas rotas já são usadas (Lucas do Rio Verde/Paranaguá,
via rodovias, e Lucas do Rio Verde/Santos, via ferrovia e rodovias) e duas
surgirão a partir do 
Plano de Investimentos em Logística do governo federal  em direção a Itaqui(MA),  uma ferroviária e a outra mista.

Nas quatro simulações, o acesso rodoviário até
Paranaguá é o mais caro, com custo de R$ 232,74 por tonelada. Perde para o
caminho existente até Santos (R$ 158,28) e para as possibilidades futuras até
Itaqui (R$ 211,96, no caminho que mistura trilhos e estradas e R$ 148,58, no
trecho totalmente ferroviário). Os cálculos são baseados em levantamentos de
frete da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja).

Os dois trechos até o porto maranhense dependem
de obras de expansão da malha ferroviária, com a extensão da Ferrovia Norte-Sul
de Palmas (TO) a Uruaçu (GO), que já está em andamento pelo PAC e com previsão
de término em 2014, e a construção da Ferrovia de Integração Centro-Oeste,
entre Lucas do Rio Verde e Uruaçu, trecho que faz parte do grupo prioritário do
novo pacote federal, com licitação neste primeiro semestre.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *