Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Paciente na UPA do Icuí pode morrer sem atendimento

O idoso João Nilson Machado Duarte está internado desde o último dia 25 na UPA Dr. Daniel Berg (Icuí), em Ananindeua(PA), intubado e em quadro gravíssimo, precisando ser transferido com urgência urgentíssima para leito em UTI de hospital com suporte para tratamento adequado. Inscrito no Sistema de Regulação Municipal de Saúde de Ananindeua e no Sistema Estadual de Regulação do Pará sob os respectivos códigos Sisreg n° 401829067 e SER nº.4650719, além de  Sisreg Belém nº 401884515, cadastrado com o diagnóstico da doença pulmonar obstrutiva crônica com exacerbação aguda não especificada – CID 10 J441, até agora o paciente continua sem a expectativa de transferência. Ante a inércia da Secretaria de Saúde do Município e da informação da Sespa de que não há vaga, a juíza plantonista de Ananindeua, Célia Gadotti, deferiu pedido de antecipação de tutela em Ação Civil Pública ajuizada pelo Ministério Público do Estado do Pará, determinando ao Governo do Pará e à Prefeitura de Ananindeua que viabilizem de imediato a transferência para leito em UTI, com tudo que se fizer necessário ao restabelecimento da saúde do cidadão, em conformidade com o que preceitua o laudo médico acostado aos autos. Caso não haja vaga na rede pública, a magistrada ordenou que o paciente seja encaminhado à rede particular às custas do Estado e do Município, considerando o iminente risco de morte e a responsabilidade solidária de ambos.

A decisão foi embasada no direito à saúde de pessoa em situação de comprovada pobreza que necessita de cuidados e tratamento essencial para cura ou combate à enfermidade, constitucionalmente assegurado a todos os cidadãos e dever do Estado (art. 196 da CF/88), cuja demora pode levar a resultados irreversíveis, inclusive a morte. Nessas hipóteses, o fornecimento de tratamento, medicamento, equipamentos ou insumos para uso inadiável não pode aguardar sequer orçamento, devendo a ordem judicial ser incluída em rubrica de despesas urgentes, existente em todo e qualquer orçamento público, evidenciando o periculum in mora que obriga o magistrado a deferir a tutela de urgência pleiteada.

A juíza frisou que entendimento nesse sentido vem sendo preconizado nos julgamentos em todos os tribunais, que se manifestam pela transcendência do direito à saúde, como expressão mais eloquente da evolução dos direitos básicos inerentes à pessoa humana e das liberdades e garantias individuais, impõe ao estado a implementação de ações positivas destinadas à materialização do almejado pelo constituinte, revestindo de eficácia plena a norma programática inserta no artigo 196 da Constituição Federal, que prescreve ser o direito à saúde direito de todos e dever do estado.

“Não se pode olvidar que o art. 6º da Constituição Federal estabelece que “são direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância e a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição”, pontuou a juíza, aduzindo ainda que a Carta Magna, em seu art. 196, dispõe que “a saúde é um direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença para a sua promoção, proteção e recuperação, além dos arts. 23, II e 196 da CF/88, que atribuem ao poder público o dever de propiciar ao cidadão o exercício de seu direito à saúde, eis que se trata de um dos pilares da República Federativa do Brasil, a dignidade da pessoa humana, constante no art. 1º, III.”

Detalhe revelador da situação desesperadora do paciente: a juíza, no sábado, 29, deu prazo máximo de 24 horas, sob pena de multa diária, arbitrada no valor de R$3 mil, até o montante de R$200 mil, sem prejuízo de posterior limitação pelo juízo. Mas até agora nem Sespa e muito menos a Sesma Ananindeua cumpriram a decisão. O paciente está na iminência de morrer sem assistência. Confiram a íntegra da liminar concedida no plantão judicial.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *