Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Paciente de SSBV espera leito em UTI há uma semana

Maria de Nazaré Furtado Vieira, de 50 anos, moradora de São Sebastião da Boa Vista, no arquipélago do Marajó, é paciente oncológica (câncer no pulmão) em estado muito grave, está sofrendo dores torácicas fortíssimas, com saturação baixíssima, precisando com a máxima urgência de suporte de UTI com respirador, e desde o dia 02 está no sistema de regulação, com laudo e pedido de remoção aérea do hospital municipal de SSBV – que não dispõe de especialista e muito menos de medicação e equipamentos necessários – e internação em UTI hospitalar em Belém com o perfil de atendimento oncológico, sem que seja providenciado o transporte e a vaga pelo sistema de regulação da Sespa. Urge que alguém tome providências antes que essa pobre mulher aumente as estatísticas dos mortos por falta de assistência.

A saúde pública no Pará precisa de urgente reformulação e da atenção do Ministério Público Federal, do Ministério Público Estadual e dos Ministérios Públicos de Contas, além da Controladoria Geral da União. Durante estes dois anos de pandemia os recursos repassados pelo governo federal foram volumosos mas nenhum hospital municipal foi sequer reformado, muito menos equipado e ampliado. Nenhum barco hospital foi adquirido. Os hospitais regionais idem. Os hospitais de campanha foram desmontados e em nenhum momento foi informado ao distinto contribuinte aonde foram parar os equipamentos que neles eram utilizados.

A população das regiões de ilhas e do Baixo Amazonas, mais distantes da capital, continua à mercê de deslocamentos sofridos e na maioria das vezes a morte chega antes. É uma tragédia silenciosa, invisível assim como são todos os desvalidos. Direitos humanos, dignidade, direito à vida e à saúde, aonde foram parar?

Vejam nas imagens os documentos e a situação terrível da paciente.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *