A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

Operação QI da PF em Belém do Pará

A Polícia Federal cumpriu trinta mandados de busca e apreensão, requeridos pelo Ministério Público Federal e expedidos pela ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça, em desfavor de servidores de diversos órgãos do Executivo Estadual e Desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, nesta quinta-feira, 4, dentro da Operação Q.I. (Quem Indica). Além de mais de uma centena de policiais federais, procuradores da República e representantes de OAB-PA participaram da execução das medidas cautelares. A PF informou que a investigação começou a partir da análise de conversas via aplicativo WhatsApp encontradas em telefone celular do ex-Chefe da Casa Civil Parsifal Pontes, apreendido durante a Operação Para Bellum, em junho de 2020, que apurou fraudes na compra de respiradores pulmonares pelo Governo do Pará.

O nome da operação Q.I. remete à sigla informal “Quem Indica”, em substituição à sigla original “Quociente de Inteligência”, utilizada para expressar a prevalência das referências e indicações baseadas nas relações pessoais e de amizade em detrimento do currículo, conhecimentos formais e habilidades de candidatos postulantes a uma vaga de trabalho.

Em nota, o Governo do Pará informa que “como sempre, colabora com os órgãos de investigação e confia na justiça. Esclarece ainda que todos os funcionários que são alvo da operação foram nomeados entre 1993 e 2015”, explicando que as mensagens trocadas tratam apenas da manutenção de servidores em cargos que são de livre nomeação e exoneração – conforme os ditames da Constituição e da legislação que rege a administração pública – e não da indicação de pessoas para cargos em comissão em diversos órgãos do Poder Executivo do Estado do Pará, e que inclusive a decisão da ministra do STJ enfatiza que a própria PF, em relatório, sustenta que não existe qualquer indício de prática delituosa por uma das servidoras cujo nome foi elencado pelo MPF ao requerer as medidas de busca e apreensão. Os servidores serão ouvidos pela Polícia Federal e os magistrados por Desembargador federal que ainda será designado pela ministra Nancy Andrighi.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. O famoso “QI” é uma cultura nos mais diversos ramos de atividade em todo país.
    Mesmo nos ditos concursos públicos onde deveria prevalecer o mérito, ainda existe o direcionamento pré aprovado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *