0

Uma força tarefa da Controladoria Geral da União, Receita Federal e Polícia Federal amanheceu em 33 endereços de 42 alvos em Belém do Pará, além de cinco em Benevides, três em Parauapebas, um em Ananindeua, cinco em Santa Maria do Pará e um em São Miguel do Guamá, e, ainda, um em Barueri/SP.

Foram cumpridos 49 mandados de busca e apreensão. A PF apura crimes licitatórios envolvendo recursos do SUS, repasse de valores indevidos para servidores públicos de diversas prefeituras do estado do Pará, lavagem de capitais com a utilização de empresas de fachada e laranjas, crimes contra a administração pública, contra o Sistema Financeiro Nacional, além de evasão de divisas através de offshore situada em paraíso fiscal, em torno de R$ 1,7 bilhão.

A 4ª Vara Federal Criminal da SJPA autorizou o sequestro de bens dos investigados no valor máximo de RS 1,7 bilhão, para devolução dos valores usurpados do erário.

A PF detalhou que a principal empresa envolvida na investigação atua no Pará, com prestação de serviços de engenharia sanitária e rodoviária para entes públicos há décadas.

Além disso, ela é considerada um dos maiores credores de entes públicos no estado e teria promovido movimentações atípicas, da ordem de R$ 1,7 bilhão, de 2017 a 2022.

A operação Plenitude conta com 10 servidores da CGU, 13 da Receita e 152 policiais federais.

Alepa celebra 205 anos da ACP

Anterior

Abaetetuba é pioneira na informatização da saúde pública.

Próximo

Vocë pode gostar

Mais de Notícias

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *