A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

Operação carniça

Depois de dois anos de investigação, a Polícia Federal, com o auxílio da Controladoria Geral da União, desmantelou uma quadrilha que fraudava a aplicação de recursos da Fundação Nacional do Índio, destinados a Ongs. Os empresários A. F. G., 39 anos, e H. W. R., 38, e E.S.M., 38 anos, funcionário da Fundação dos Povos Indígenas do Tumucumaque – APITU, tiveram prisão preventiva decretada pela 1ª Vara Federal de Macapá, por estelionato e peculato, respectivamente.
O dinheiro oriundo de convênio com a União era destinado à compra de medicamentos, atendimento médico, pagamento dos salários dos agentes indígenas de saúde, serviço de transporte dos doentes e obras de saneamento e tratamento de água nas aldeias.
PF e CGU constataram que, entre 2006 e 2008, foram desviados mais de R$ 6 milhões, e mais de 20 índios morreram no período, por falta de medicamentos vitais, como soro antiofídico. O gestor do convênio recebia os recursos e atestava a execução das obras e serviços inexistentes. 
Será que a PF e a CGU não poderiam dar uma esticadinha ao Pará para verificar a atuação da Funasa?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *