Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Operação Caceia prendeu 12 no Pará

FOTO: POLÍCIA FEDERAL
A Operação Caceia, da Polícia Federal, cumpriu hoje 34 mandados judiciais – 12 de prisão preventiva, 17 de busca e apreensão e 5 de condução coercitiva – em Jacundá, Goianésia do Pará, Breu Branco, Tucuruí, Belém, Ananindeua e Cachoeira do Arari.
Dentre os alvos da operação, estão representantes e empregados de sindicatos e associações de pescadores, servidores do Ministério do Trabalho e Emprego, funcionários e donos de casas lotéricas, e até uma vereadora, todos envolvidos em
 um esquema de associação criminosa, estelionato contra instituição de direito público, corrupção passiva e ativa, falsificação de documentos, falsidade ideológica e inserção de dados falsos em sistemas de informações.  

Desde outubro do ano passado começaram a pipocar denúncias no sentido do cadastramento generalizado de pescadores artesanais para fins de recebimento indevido de benefícios sociais, tais como o Bolsa-Família e o Seguro-Defeso. Servidores públicos manipulavam sistemas para driblar a fiscalização do INSS.  
O nome da operação alude a um conjunto das redes que, amarradas entre si, são lançadas em alto mar pelos barcos de pesca. 
Os presos, após a audiência de custódia, serão encaminhados aos presídios de Belém, Marabá e Tucuruí, onde ficarão à disposição da Justiça Federal. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *