Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Operação Alcmeon

A Polícia Federal, o Ministério Público Federal e a Receita Federal, em parceria com o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e a Justiça Federal, deslancharam hoje a Operação Alcmeon para desarticular compra e venda de votos junto a uma turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região.
Foram cumpridos 2 mandados de prisão preventiva, 8 de condução coercitiva e 13 de busca e apreensão, em Natal e Mossoró(RN), além de Recife(PE). 

Os principais clientes eram políticos encalacrados nas operações Pecado Capital, “Salt” e Lava Jato. Estão envolvidos advogados, o desembargador aposentado Francisco Barros Dias e um desembargador do TRF5 que já faleceu em 2013. Eles negociavam votos em sentenças criminais para libertar presos e liberar bens apreendidos. A pena de um ex-prefeito, por exemplo, que era de 28 anos de reclusão, foi reduzida para dois anos e oito meses, e substituída por mera restrição de direito. 

O esquema foi desvendado em delação premiada de um empresário. O grupo cobrava em média R$ 350 mil pelo serviço, sempre de forma antecipada. 

Foram feitas gravações ambientais, interceptações telefônicas, quebra de sigilo de dados fiscais, bancários, telefônicos e telemáticos, além da obtenção de documentos e colheita de depoimentos. O nome da operação faz referência a personagem da mitologia grega relacionado a traição e quebra de confiança.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *