Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Odor do aterro sanitário metropolitano só piora

A promotora de Justiça Eliane Moreira ajuizou uma Ação de Produção Antecipada de Prova contra a empresa Guamá Tratamento de resíduos Ltda.,  gestora da Central de Processamento e Tratamento de Resíduos de Marituba, acolhendo as muitas denúncias sobre aumento da intensidade do cheiro fétido associado ao aterro sanitário metropolitano.

No mês de junho, a 5ª Promotoria de Justiça do Meio Ambiente constatou elevação no número de ocorrências sobre incômodos olfativos em relação ao aterro, registradas no canal de atendimento ao público “Alô Guamá”, que é mantido pela empresa. As reclamações apontam o aumento da frequência, da intensidade e do padrão do odor, com relatos de ocorrência de incômodos físicos, como ardor no nariz, boca e garganta. O Ministério Público do Estado do Pará acessa as reclamações registradas em decorrência de acordo estabelecido na esfera extraprocessual.

Os incômodos olfativos são demandas recorrentes desde a instalação do aterro, porém, recentemente o empreendimento passou pelo processo de implantação da Estação de Tratamento de Efluentes (ETE), que pode ter ocasionado o aumento do mau cheiro. Nesse processo, houve grande movimentação de chorume de uma lagoa para a outra, além da implantação de novos processos produtivos, não existindo certeza se estão ocorrendo em sua plena regularidade ou com falhas. No Relatório de Fiscalização da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Estado, foi constatada a presença de amônia em uma dessas lagoas.

Na quarta-feira da semana passada, 22, o Grupo de Apoio Técnico Interdisciplinar (GATI) realizou uma vistoria, da qual foi levantada a hipótese de que o aumento do odor tenha relação com múltiplos fatores, inclusive a implantação da ETE. Além disso, também houve indicação da possibilidade de que a intensidade do mau cheiro aumente nas próximas etapas, com a perspectiva de agravamento dos fatores de perturbação da população de Marituba pelas emanações do Aterro Sanitário.

Levando em conta esses fatos, o Ministério Público considera necessária a investigação de eventuais falhas de projeto e operacionais que expliquem as questões relatadas e as providências necessárias para solução ou diminuição dos impactos. O MPPA requereu a produção antecipada de provas com a finalidade de averiguar a eficiência das medidas técnicas adotadas para a redução da emissão de odores; identificar a adequação e regularidade da implantação da ETE; e identificar as correções e medidas complementares necessárias e aptas a anular ou reduzir os impactos.

Será designada uma Comissão de Peritos, formada por três profissionais (de engenharia civil, química e sanitária) com experiência em operação e fiscalização de aterros sanitários, destinada a identificar se todas as medidas cabíveis à disposição do conhecimento técnico-científico vigente estão sendo implementadas. O MPPA pediu que a Justiça determine, no prazo de seis meses (podem ser prorrogados), que a empresa seja obrigada a ceder as imagens das câmeras que registram a operação do Aterro com melhoria na qualidade das imagens, para que sejam preservadas e extraídas pela Comissão de Peritos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *