Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

O revés minerário no Tapajós

“Vítimas obrigadas a cavar a própria sepultura, gestantes evisceradas, cabeça humana transportada em caixa de gelo para provar o “serviço” executado – segundo se conta na região -, duelos de morte por motivos banais e, também, a virtual dependência que demonstram muitos trabalhadores, do garimpo, praticamente impossibilitados para outra atividade. Não seria isso tudo, misturado às condições sociais, econômicas e sanitárias as mais escabrosas em que vivem esses indesejáveis da sociedade brasileira, resultado também da intoxicação que lhes afeta o cérebro já cronicamente enfraquecido pela miséria? A história mais antiga e a mais recente da “prata líquida”, que ganhou o nome do deus mitológico, pode não oferecer explicações cabais. Mas bem pode abrir brechas para um estudo sério do que se passa hoje no sertão da Amazônia brasileira.”

Vale a pena reler a matéria do jornalista santareno Manuel Dutra, professor doutor em Comunicação da UFPA, publicada em junho de 1990, que continua atualíssima, face o necessário debate em torno da contaminação do rio Tapajós pelo mercúrio dos garimpos da região Oeste do Pará. Leiam a íntegra no blog do  Manuel Dutra.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *