O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Quase todo mundo já caiu na tentação de comer ou beber além do necessário, mas a data, 26 de janeiro, foi criada a fim de conscientizar a população sobre os perigos que a compulsão alimentar oferece à saúde. Neste ano,…

O porquê da mágoa de Iran com Jatene

Quando estavam em discussão na
Alepa os projetos de renovação da concessão de incentivos fiscais às empresas
instaladas no Pará, o líder do PMDB, deputado Iran Lima, revelou o porquê de
sua antipatia ao governador Simão Jatene. É que uma vez, há 17 anos,  como auditor da Secretaria de Estado da
Fazenda, mandaram-no representar a Sefa na comissão técnica que analisa as
propostas das empresas para obtenção do diferimento de ICMS. Mas ao se
manifestar na reunião, Jatene, na época secretário especial de Produção e
presidente da Comissão, não aceitou suas palavras e se retirou. “Isso eu guardo aqui comigo, no meu coração”,
se queixou Iran, sem esconder a mágoa. No que o seu microfone emudeceu. Aí foi
uma gargalhada geral, e o deputado Carlos Bordalo, do PT, brincou que o som
pifou porque ele tinha falado mal de Jatene. “V. Exa. falou com muita emoção, com veemência”, contornou o presidente da Alepa, deputado Márcio
Miranda(DEM), aos risos, abrandando a tensão do desabafo. E o secretário de Estado
de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia, Adnan Demachki – que estava
lá esmiuçando as proposições do governo –  tranquilizou a todos garantindo o eminente caráter
técnico da comissão – criada por lei estadual, integrada por técnicos
competentes do Banpará, da Sefa, da Sedeme, das Secretarias de Meio Ambiente,
de Desenvolvimento Agrário, de Ciência e Tecnologia e procuradores da PGE -,
que aprecia tecnicamente as propostas das empresas e depois faz uma votação no
âmbito da comissão, que agora é presidida pelo secretário da Fazenda, um
técnico de carreira.





Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *