Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

O País que mais gasta com políticos

O Brasil é o país que mais gasta dinheiro público com campanhas eleitorais e partidos. São mais de U$789 milhões por ano. É o que revela estudo divulgado pela plataforma CupomValido, com dados do IMPA, World Bank e Tribunal Superior Eleitoral. É mais que 2.5 vezes o valor do segundo colocado, o México, com U$307 milhões por ano. Legislando em causa própria, os deputados e senadores aumentaram o fundo eleitoral deste ano em 190%, em relação ao valor fixado na eleição municipal de 2020, enquanto no mesmo orçamento reajustaram o salário mínimo em apenas 10%. O dinheiro para os tubarões da política equivale a 16,8 toneladas de ouro. E ainda acham pouco.

Enquanto isso, metade da população brasileira passa fome. A pobreza é multidimensional: além da alimentação, envolve a falta de acesso à educação, à saúde, trabalho e padrão de vida. A pobreza e a extrema pobreza têm efeitos terríveis para a dignidade das pessoas e, no caso de crianças e adolescentes, as consequências são irreparáveis. A situação compromete irreversivelmente seu desenvolvimento, condenando-os ao estado perpétuo de vulnerabilidade. Crianças criadas em um ambiente de privação e violência não conseguem crescer, estudar e trabalhar, o que dificulta que se tornem adultos independentes, perpetuando o ciclo de miséria.

Há 32 partidos políticos no Brasil, afoitos para desfrutar dos fundos públicos, além da rede de corrupção. É o 2º país com mais agremiações partidárias no mundo, atrás somente da Índia, que tem 36 partidos. Nos países desenvolvidos, a quantidade é significativamente menor: Itália (15), Suíça (11), Reino Unido (11), Portugal (10), França (9), Alemanha (6), Japão (6) e Estados Unidos (2). Nem é preciso dizer que funcionam muito melhor.

Além da 1ª posição no ranking de gasto anual e 2ª em maior número de partidos, o Brasil é o país que mais gasta com parlamentares. Cada um custa US$ 5 milhões por ano. Dividido o custo médio de cada um deles pela renda média de cada país, a pesquisa concluiu que o gasto por parlamentar é 528 vezes maior que a renda média da população nacional. Um ranking tão vergonhoso que o número é mais que duas vezes maior que o gasto do segundo colocado – a Argentina, com gasto de 228 vezes em relação à renda média. Não por acaso, os com os menores gastos são Luxemburgo e Suíça, ambos seis  vezes a renda média.

Os maiores gastos com as campanhas eleitorais estão relacionados à publicidade por materiais impressos, que representam 20,9% do total das despesas e fazem uma imundície nas ruas. A produção de programas (de rádio, televisão ou vídeo) está em segundo lugar, com 8,8%. Em terceiro, com 8,6% das despesas, fica o custo com atividades de militância e mobilização de rua. Confiram o infográfico.

Fonte: IMPA, TSE, CupomValido.com.br, World Bank

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. As leis do Brasil facilitam a criação de partidos políticos como se criam as chamadas MEI – micro empresas individuais.
    A diferença é o volume de recursos destinados aos partidos.
    Uma verdadeira farra com o dinheiro público.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *