O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O longo caminho para o saneamento básico

O Instituto Trata Brasil, em parceria com a GO Associados, divulgou hoje o estudo inédito “Avanços do Novo Marco Legal do Saneamento Básico no Brasil — 2022 (SNIS 2020)”, no qual avalia o estágio de implementação e os impactos socioeconômicos da Lei nº 14.026/2020 – o Novo Marco Legal do Saneamento Básico, que entrou em vigor há dois anos, estabelecendo novas diretrizes para o setor. A constatação é de que o Brasil avança lentamente: quase 35 milhões de pessoas não dispõem de água tratada e cem milhões não têm acesso à coleta de esgoto, refletindo em centenas de hospitalizações por doenças de veiculação hídrica, apontam os dados do SNIS 2020, além do que só metade do volume gerado é tratado, o equivalente a mais de 5,3 mil piscinas olímpicas de esgoto sem tratamento despejadas na natureza, diariamente.

A legislação definiu metas para universalização dos serviços até 2033, de modo a garantir que 99% da população brasileira tenha acesso à água potável e 90% ao tratamento e à coleta de esgoto; aumentou a concorrência pelo mercado com vedação a novos Contratos de Programa; estabeleceu maior segurança jurídica para a privatização de companhias estatais; estimulou a prestação regionalizada dos serviços e deu papel de destaque para a Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) na regulação dos serviços.

Acontece que, dos 3,9 mil municípios que deveriam apresentar a documentação da capacidade econômico-financeira, em obediência ao Decreto 10.710/2021, que tinha como prazo 31 de dezembro do ano passado, 1,1 mil municípios, quase um terço desse grupo, sequer apresentou a comprovação ou foi considerado irregular pelas respectivas agências reguladoras; 2,4 mil (cerca de 62%) estão em situação absolutamente regular e 325 foram considerados regulares, mas com alguma espécie de restrição.

Cerca de 30 milhões de brasileiros vivem em municípios que ainda atendem apenas 64,4% no abastecimento de água e cobertura de esgoto em 29,1%, a maioria nos estados do Norte e do Nordeste. Enquanto 13,9% da população brasileira reside em municípios irregulares quanto a serviços de saneamento, este índice é superior a 60% em estados como Maranhão, Pará e Piauí, chegando a 100% dos municípios nos casos do Acre e de Roraima.

 Os municípios têm até 30 de novembro de 2022 para aprovar leis regionalizando o saneamento básico, que podem ser estruturadas de três maneiras: Região Metropolitana, Unidade Regional de saneamento básico e Bloco de Referência. Três estados (Acre, Pará e Tocantins) sequer protocolaram projeto de lei nesse sentido e outros três (Mato Grosso, Goiás e Minas Gerais) ainda aguardam a tramitação desses PL junto às suas Assembleias Legislativas, afirmam Luana Siewert Pretto, presidente executiva do Instituto Trata Brasil, e Gesner Oliveira, sócio da GO Associados.

O Ministério do Desenvolvimento Regional, no Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab), indica necessidade de cerca de R$507 bilhões para a universalização até 2033, a preços de dezembro de 2020, sem considerar os investimentos nos anos de 2019 e 2020, que correspondem a R$ 19,9 bilhões e R$ 16,1 bilhões, respectivamente, a preços do mesmo período. Ao subtraírem estes investimentos do montante calculado no Plansab, restam ainda R$ 471 bilhões a serem investidos.

Dividindo o restante à universalização por 13 anos (de 2021 a 2033), a média anual de investimentos é de R$ 36,2 bilhões. Para fins de comparação, o investimento médio dos últimos cinco anos disponíveis no SNIS (2016-2020), a preços de dezembro de 2020, equivale a R$17,1 bilhões, o que significa que o investimento anual precisaria mais do que dobrar não somente em 2021, mas em todos os anos subsequentes para a universalização ser possível até 31 de dezembro de 2033.

Já o estudo “Quanto custa universalizar o saneamento no Brasil?”, desenvolvido pela consultoria KPMG em julho de 2020, sustenta que a necessidade de investimento, a preços de dezembro de 2020, é de R$ 993 bilhões, bem superior ao do Plansab. Ao subtrair o aplicado de 2019 e 2020, ainda seriam necessários R$ 957 bilhões para universalizar o saneamento básico, média anual de R$73,7 bilhões entre 2021 e 2033: precisaria mais do que quadruplicar.

É ponto pacífico que investir no saneamento gera impactos positivos em diversos setores. Pelo cenário do Plansab, R$36,2 bilhões anuais, a economia brasileira potencialmente se beneficiará com um crescimento do PIB de R$ 45,5 bilhões anuais.

Estes resultados se tornam ainda mais impressionantes quando se leva em consideração outras variáveis macroeconômicas, como arrecadação tributária e emprego. O valor investido tem potencial para aumentar a arrecadação tributária em mais de R$ 2,9 bilhões anuais e proporcionar ao mercado de trabalho a criação de 850 mil novos postos permanentes.

Os leilões, parcerias e concessões surgem como opção para ampliar a capacidade de investimento no setor e a utilização eficiente dos recursos públicos, acreditam os técnicos do Instituto Trata Brasil e GO Associados. Desde 2020, o BNDES participou da elaboração das licitações de importantes projetos, como o leilão dos blocos 1, 2, 3 e 4 da concessão dos serviços de água e esgoto no Rio de Janeiro; os blocos A, B e C em Alagoas e os serviços no Amapá. Nos próximos anos, o banco prevê a licitação de projetos de saneamento no Ceará, Paraíba e Rondônia. De 2016 a 2020, o investimento total em saneamento foi de R$ 86,22 bilhões.

Para ler o estudo completo, clique aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *