Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

O ineditismo dos compositores parauaras

Madalena Aliverti, Márcia Aliverti, Eriko Nery e Adriana Azulay
Artista erudito no Brasil sofre, ainda mais se for amazônida. A cantora lírica Madalena Jorge Aliverti não foge à regra. Além de cantar, é produtora, diretora, assistente técnica e divulgadora dos seus recitais. Gravou, em duo com a pianista Adriana Azulay, o CD “Ave Maria Paraense” em 2012, histórico porque fruto de longa pesquisa sobre os compositores paraenses que escreveram Ave Marias. Achou peças raras, datadas de 1883. Na quinta-feira passada, o duo Aliverti-Azulay fez belo recital em homenagem ao maestro Waldemar Henrique na Igreja de Santo Alexandre, em Belém, intitulado “Maestro Waldemar Henrique – 20 anos de saudade”. No repertório, as canções “Tamba-Tajá”, “Rolinha”, “Senhora Dona Sancha” e “Minha Terra”, escrita em 1923 pelo maestro – que se estivesse vivo completaria 110 anos –, além de outras músicas do compositor parauara. O tenor Eriko Nery e a soprano Márcia Aliverti fizeram participação especial. 

O Icamiaba’s Duo – assim batizado por Madalena Jorge Aliverti e Adriana Azulay em referência às bravas e valentes índias guerreiras da Amazônia, que habitavam em torno de 400 a 600 anos atrás, próximo às cabeceiras do rio Jamundá, conhecidas como Icamiabas – desde 2010 vem se apresentando em Belém e em outras capitais do Brasil, sempre fazendo pesquisa musical, em busca de material inédito

Compositor e pianista, Waldemar Henrique nasceu em Belém do Pará em 15.02.1905 e faleceu em 28.3.1995, também em Belém, legando mais de 120 músicas, de inspiração folclórica, principalmente amazônica, mas também indígena, nordestina e afro-brasileira. No Rio de Janeiro, trabalhou em rádios, teatros e cassinos, além de realizar excursões por todo o Brasil, Argentina, Uruguai, França, Espanha e Portugal. No Rio, dedicou-se ao magistério e produziu programas para diversas emissoras, como a Rádio Roquette Pinto, onde foi diretor da seção de música orquestral. Em 1956 gravou o primeiro LP, com interpretação vocal de Jorge Fernandes. Em 1958, sua música-tema para Morte e vida Severina, poema dramático de João Cabral de Meio Neto, obteve o prêmio Jornal do Comércio, como o melhor do ano. Dirigiu por mais de dez anos o Theatro da Paz. Eleito em 1981 para a Academia Brasileira de Música, em 1985, ao completar 80 anos, foi homenageado em desfile de escola de samba, em Belém. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *